Motociclismo 

Harley Davidson 883 Iron – A pequena notável!

10854896_10204756665568949_8845678254232992579_oQuero inicialmente agradecer ao Sucupira pelo espaço que me foi cedido, espero contribuir a altura, compartilhando minhas experiências pessoais, enfim, enriquecendo o projeto “Você e sua moto”, não me considero ainda um dinossauro, mas já tive um punhado de motos, andei em tantas outras e tenho bons quilômetros rodados nas costas. Bem, vamos ao que interessa! Quero deixar minhas impressões pessoais sobre essa motocicleta da Harley.

Nos dias 6,7 e 8 de março deste ano, tive uma companheira “diferente” na minha garagem, diferente porque trata-se de uma motocicleta “custom”, nunca tinha passado tanto tempo com uma, apesar de já ter andado em algumas, emprestadas por amigos, já pilotei Shadow 750 da Honda, os dois modelos comercializados no Brasil, já pilotei a M 800 Boulevard da Suzuki, mas, nunca tinha pilotado uma Harley.

Pude testar uma Harley Davidson 883N IRON 2014 ABS, essa motocicleta seria a “porta de entrada” para o universo Harley, levando em consideração o fator preço, já que é o modelo mais barato comercializado pela marca no Brasil. O motivo determinante pelo meu interesse nessas motocicletas é uma possível troca de estilo, vou abandonar temporariamente o estilo “big trail” e vou topar com as custom, sempre tive vontade de ter uma moto desse estilo, alias, creio que todo motociclista tenha essa vontade, mesmo que passageira, as custom fazem parte do imaginário motociclístico.

Verdade seja dita, é uma bela motocicleta! É estilosa, pequeno porte, entre eixos curto, equipada com o velho V-Twin de guerra, com 883 cilindradas, que produz algo em torno de 6,7 kgf.m de torque e 49 cv de potência, essa receita propicia uma excelente motocicleta pra uso urbano e para tiros curtos, como bate voltas, pequenos passeios, enfim, é uma moto pra roles. Você deve ta se perguntando como cheguei a essa conclusão?

Só de olhar para a 883 já percebe-se que ela não tem vocação estradeira, claro, ressalvando o fato de que você pode customizar e transforma-la numa estradeira, a vantagem das custom é essa “customizar”, dá para trocar praticamente tudo nessas motos. A 883 é uma motocicleta com baixa autonomia, vem equipado com um tanque de combustível de apenas 12 litros, o que chama atenção também é o excesso de vibração em determinadas velocidades, no transito travado da cidade é algo até prazeroso, sentir o motor vibrando incessantemente no acelera, freia e para, mas, para passar horas e horas na estrada não deve ser algo tão interessante assim, penso que deve incomodar um pouco.

O ponto forte é a dureza na suspensão traseira que vem de fabrica equipando esse modelo, é como se a moto não tivesse suspensão nenhuma, a sensação é essa, a moto nem balança, pude entender porque alguns motociclistas chamam esse modelo de “rabo duro”. Por conta disso você já deve ter ouvido falar que essas motocicletas parece que não foram feitas para rodar no Brasil, claro, as pessoas pensam isso devido ao trauma das péssimas condições da nossa malha viária, outra coisa que é quase unanime na opinião dos proprietários é trocar a suspensão traseira dessa moto, digo isso, porque conversei com alguns proprietários e todos foram unanimes nesse sentido.

Apesar de ter 265 kg em ordem de marcha (números informados pela HD), o torque é sempre presente, um verdadeiro tesão acelerar essa moto! Você “cutuca” o acelerador e ela dá uma patada! Já na estrada, o motor se mostra vigoroso até um certo limite, pois quando se esta em ultima marcha e com motor cheio, ele perde o vigor. Novamente, conversando por aí com alguns proprietários, eles relatam que a nacionalização da motocicleta para atender as exigências burocráticas de nossa legislação, o motor teve que ser “estrangulado”, mas, nada que algumas alterações para deixar o motor mais esperto, como novo mapeamento de injeção, filtro de ar esportivo, troca de escapamento, dentre outras coisas.

Por ter refrigeração passiva, ou seja, o motor é refrigerado pela ação do vento, andar sem roupa apropriada (calça jeans e afins) pode ocasionar um certo desconforto, já que o motor esquenta bastante e esse calor é facilmente sentido se você tiver com uma bermuda, por exemplo, em dias de muito calor talvez seja algo a se levar em consideração, como tem chovido por aqui esses dias, não esta tão quente, dessa forma não deu pra sentir na pele a temperatura em condições mais severas.

A 883 não possui proteção aerodinâmica nenhuma, como bolhas ou carenagens, é uma motoca totalmente “naked”, é vento no rosto. Os comandos não são avançados, dado a posição das pedaleiras, joelhos dobrados, pilotagem com o ombro um pouco inclinado para frente devido a posição do guidão, os braços ficam esticados forçando-os. Painel bastante simples mas com informações suficientes, inclusive com marcador de marchas, trips A + B para marcar o percurso, o painel informa também as rotações do motor, tudo de forma digital, o padrão dos controles de punho não seguem a receita clássica do Brasil que concentra as setas para indicar conversão em um mesmo botão, o sistema é o mesmo usado lá fora, em outros países.

20150306_184912-225x300Para concluir, gostei bastante da motocicleta, mas, infelizmente ela esta descartada porque a minha praia não é tanto o uso urbano, mas grandes distancias, viagens, então é preferível partir logo para a linha estradeira, como as softail, por exemplo, que faz parte da subdivisão das motocicletas Harley mais voltadas para esse público, mas, se você é um piloto urbano, que gosta de fazer pequenos passeios ou anda mais nos finais de semana, utiliza a moto como lazer, acho uma excelente compra, a motocicleta é divertida, a ciclística dela me surpreendeu! Curva muito bem e apesar do peso é muito maleável e suscetível a mudanças bruscas de direção, enfim, um excelente receita para quem quer apenas diversão! Ah! É muito charmosa também, chama atenção por onde passa.

O banco original da pro gasto! Nem é duro demais e nem muito confortável, eu particularmente trocaria, mesmo porque um banco mais confortável pra essa moto não é algo tão caro quanto para outros modelos e temos diversos fabricantes artesanais, opção não falta. Originalmente o banco é só para o piloto, não tem assento pro garupa, o que nos remete a suspeitar que a motocicleta foi projetada especialmente para comportar apenas uma pessoa.

Postagens Relacionadas

Leave a Comment