WikiLeaks: O mundo olha para EUA com novos olhos

O mundo se revolta contra os EUA

América do Sul

Brazil

Presidente Lula registrou seu protesto contra a detenção de Assange: “Esse sujeito era apenas publicou algo que leu”, disse ele. “E se ele leu, é porque alguém escreveu. O culpado não é o editor, é a pessoa que escreveu [essas coisas]. Deveriam culpar a pessoa que escreveu este absurdo.”

Argentina

Na Argentina, o Wikileaks revelou aparente preocupação dos EUA sobre uma nova invasão das ilhas Malvinas e sobre a saúde mental da presidente Kirchner.

Venezuela

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, pediu que Hillary Clinton renunciasse por conta do que chamou de “espionagem e delinqüência, no Departamento de Estado”.

“Olha como eles tratam os líderes dos países poderosos”, disse Chávez no canal de TV estatal – Telesur, descrevendo os comunicados como prova da “guerra suja das embaixadas ianques em todo o mundo”. “Olha como eles estão maltratando esse grande amigo nosso, Vladimir Putin. Que falta de respeito!”

Equador e Bolívia

O governo equatoriano tem sido o maior apoiador do Wikileaks na região, oferecendo a Julian Assange residência. A Bolívia também expressou sua irritação com sua imagem nos comunicados da diplomacia dos EUA. O país do vice-presidente, Álvaro García Linera, esta semana reproduziu comunicado sobre a Bolívia publicado pelo Wikileaks, na íntegra, em seu site oficial em resposta ao que ele chamou de “insultos” e “espionagem taxa de terceiros”.

Autoridades dos EUA têm sido satirizadas por grande parte da imprensa boliviana.

Juan José Toro Montoya, um colunista do jornal Los Tiempos de Cochabamba jornal descreveu as acusações contra o fundador Wikileaks “como” risível “.

“Julian Assange pode ser preso, mas ele foi transformado em um herói e vai ficar na história como o primeiro ser humano a massivamente revelam os truques sujo do governo”, ele escreveu ontem.

Europa

Rússia

O primeiro-ministro Vladimir Putin foi um dos que manifestou a maior irritação sobre os documentos postados pelo WikiLeaks em que ele foi retratado como Batman e Dmitry Medvedev como Robin. “Calúnia”, ele chamou. Os comunicados da embaixada retratam a Rússia como uma “cleptocracia corrupta, onde políticos e criminosos eram indissociáveis. Medvedev disse que os comunicados “mostram a carga de cinismo” dos EUA na sua política externa. Mas ele sugeriu que os vazamentos não prejudicariam as relações entre Moscou e Washington. Sergei Lavrov, o ministro das Relações Exteriores, alegou estar surpreso que existam “alguns ladrões de galinha correndo pela Internet”. Na realidade, os comunicados podem ter causado danos permanentes na Rússia, jogando para a profunda desconfiança das intenções dos EUA.

Related posts

Leave a Comment