O Ouro Azul – A luta contra o desperdício da água.

Para produzir alimentos no Brasil a agricultura consome 70% da água, as indústrias 20%, e as residências 10%. A mesma proporção vale para todo o mundo.

Para produzir um ser humano saudável são necessários várias centenas de litros de água, isso sem falar que passamos nove meses mergulhados numa sopa protéica a base de água chamada de líquido amniótico.

Seguindo pelo leito deste rio de informações vislumbro o mundo e os conflitos existentes pela escassez de água . Em Israel, Jordânia e Palestina 5% da população do mundo sobrevivem com 1% da água disponível no Oriente Médio (e ainda há a guerra entre árabes e israelenses). A água pode contribuir para crises militares adicionais enquanto o aquecimento global continua tomando as manchetes dos jornais. Israel, os territórios palestinos e a Jordânia necessitam do rio Jordão, mas Israel controla o rio e corta suas fontes durante as épocas de escassez. E assim os palestinos sofrem com a falta de água imposta por Israel.

Os projetos da Turquia para construção de represas no rio Eufrates levaram o país à beira de um conflito com a Síria em 1998. Damasco acusa Ancara de usar sua fonte de água e a falta de água ocasionada pelo aquecimento global aumentará a pressão na região.

O rio Brahmaputra já causou tensão entre Índia e China e pode se tornar uma faísca para dois grandes exércitos do mundo. Em 2000, a Índia acusou a China de não compartilhar informações sobre o funcionamento do rio desde o Tibet. A falta destas informações evitou que os indianos pudessem se precaver por conta das inundações no nordeste da Índia e em Bangladesh. As propostas chinesas para desviar o rio também provocam mais discussões.

Na África, as tensões aumentaram entre Botswana, Namíbia e Angola em torno da vasta bacia de Okavango. As secas fizeram a Namíbia reativar projetos para um encanamento de 250 milhas para levar água à capital. Drenar o delta seria letal para comunidades locais e para o turismo. Sem a inundação anual do norte, os ’swamps’ encolherão e a água sangrará até o deserto de Kalahari.

O crescimento populacional no Egito, no Sudão e na Etiópia está ameaçando um conflito ao longo do rio mais comprido do mundo (há até bem pouco tempo, depois que os técnicos do INPE traçaram seu curso juntando todos os nomes que ele recebe pelo caminho o Amazonas passou a ser considerado o maior rio do mundo. Nem todos os geógrafos o consideram o maior rio, mas todos o consideram o maior em volume dágua – vide abaixo no rodapé do texto algumas explicações (*)) , o Nilo. A Etiópia está pressionando por uma parte maior da água azul do Nilo e o Egito, pelo outro lado, está preocupado com a parte branca do Nilo que corre através de Uganda e Sudão, e que poderia ser esgotado antes que alcance o deserto do Sinai. Está desenhada a confusão.

As inundações no Ganges (Índia) causadas pelo derretimento das geleiras do Himalaia chegam a Bangladesh o que aumenta a migração ilegal à Índia. Isto fez com que a Índia construísse uma imensa cerca na margem do rio na tentativa de obstruir os imigrantes. Mesmo assim cerca de 6 mil pessoas cruzam, todos os dias, ilegalmente, a margem do rio em direção à Índia.

No Brasil, a transposição de 1% das águas do Velho Chico que inevitavelmente iriam para o mar ainda é motivo de várias ações judiciais, radicalismos e até de greve de fome. Toda esta discussão esconde a grande razão do estado moribundo do rio que nada mais é do que o açoreamento do seu leito em razão da falta de política de gerenciamento do São Francisco e do desmatamento das suas margens. O projeto traria água a mais de 12 milhões de brasileiros e fixaria pelo menos 400 mil pessoas em suas terras, reduzindo o êxodo rural e os bolsões de miséria. Mesmo assim, o projeto capenga em um anda-pára sem-fim.

O Brasil, mas especificamente o Nordeste – no Estado do Ceará – um dos mais secos do país, água e tratada como assunto sério e a população é envolvida nisso.

O Prova de Saúde entra no seu segundo ano e  é patrocinado pela Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece), em parceria com o Governo do Estado – Secretaria das Cidades e realização da Garis Produções Artísticas. Na sua primeira edição em 2010, o Prova de Saúde realizou 131 intervenções em 87 locais, entre escolas e praças, para 59.284 alunos de escolas e público em geral de: Fortaleza, Caucaia, Pacatuba, Maranguape, Aquiraz, Maracanaú, Eusébio, Guaiúba, Chorozinho, Itaitinga, Pacajus, Horizonte, São Gonçalo do Amarante e Cascavel.

Ao todo o projeto contemplará, na sua segunda edição, 140 intervenções teatrais e irá envolver escolas, empresas e a população, pois o programa também acontece nas praças públicas de Fortaleza e de outros 21 municípios cearenses. Desde a sua primeira versão o site (www.provadesaude.com.br) recebeu cerca de 13.238 visitas, cerca de 5.139 pessoas participaram de um Quizz  e de um concurso de redação com o tema “Água tratada e esgotamento sanitário: Saúde para a família e respeito ao meio ambiente” que recebeu 1.095 redações.

A água é sagrada para muitos povos e religiões. No caso dos cristãos, na Bíblia o termo água é citado 442 vezes e o batismo é feito com água. Judeus, muçulmanos, xintoístas e hindus possuem rituais de purificação feitos com água.No Brasil, Iara (Mãe D´água), Iemanjá( Rainha do Mar) e Nossa Senhora Aparecida( resgatada de um rio por pescadores e Padroeira do Brasil) são as divindades que cuidam de proteger o nosso Ouro Azul.

Ao decidir matar uma curiosidade minha a respeito de quanta água se gasta (e se haveria necessidade de gastar) para produzir um chip eu acabei me deparando com um cenário preocupante e também fascinante. Não encontrei nenhuma estatística confiável a respeito de quantos litros de água sejam necessários para se produzir um único computador, mas tirando uma média, podemos afirmar que não será menos que dois mil litros.

Saber como proteger a água, como usá-la e mais ainda como não desperdiçá-la já terá sido uma grande aprovação no teste da vida e uma prova de saúde.

Related posts

Leave a Comment