DESTAQUES Motociclismo 

Dupla desbrava parte da América do Sul de moto POP 100 da Honda.

Quem disse que  tem que ser de alta cilindrada?
Quem disse que tem que ser de alta cilindrada?

O tamanho da moto não importa. O que importa é o tamanho da paixão por ela e isso independe da cilindrada para realizar sonhos! Assim, os amigos motociclistas Marcelo Dias e Gilson Soares encararam o desafio de sair do Brasil, por Porto Velho – RO e atravessaram a Bolívia, Chile e Peru a bordo de motos POPs 100cc e não em potentes ‘máquinas’ big trail, como era de se esperar!

Foram 4.450 km pela América do Sul

Foram quatro mil quatrocentos e cinquenta quilômetros cruzando a Cordilheira dos Andes nestes três países, com uma conta de R$ 5 mil entre hospedagem, alimentação e combustível. Pura aventura e adrenalina resultaram em material de fotos e vídeos incríveis, além de histórias boas para contar.Faltou gasolina… na Bolívia

Faltou gasolina… na Bolívia

Estrada da Morte
Estrada da Morte

Alguns exemplos: na Bolívia, eles foram obrigados a comprar dezesseis litros de gasolina em garrafas ‘pet’ de refrigerante de dois litros estrada para conseguirem seguir a viagem, por conta da falta de combustível nos postos e escassez de tráfego na estrada. Também passaram por um grande susto, quando o motor de uma das POPs perdeu a potência e quase ‘morreu’. Marcelo e Gilson ficaram com muito medo de que o problema fosse sério e a viagem terminasse ali, praticamente nos primeiros dias. Entretanto, descobriram depois de um exame minucioso, que se tratava apenas de uma vela solta. O problema foi resolvido e seguiram em frente, com paisagens que renderam fotos deslumbrantes!

Granizo e precipícios na Estrada da Morte

Ainda na Bolívia, a Estrada da Morte ficou marcada na aventura quando passaram por pontes inacabadas, onde o perigo era grande, pois o precipício estava ao lado e a velocidade tinha de ser reduzida, aumentando assim o tempo de viagem. Nesses momentos, sentiram na pele a solidariedade de operários que ajudaram nas travessias. Apesar dos riscos, o percurso resultou em mais fotos e vídeos sensacionais. Também enfrentaram as intempéries e não escaparam de uma chuva de granizo intensa no percurso, obrigando-os a rodar numa velocidade que não ultrapassava de 30 km/h!

Um lago alto demais…

E bateu o cansaço
E bateu o cansaço

No Peru, o desafio foi adaptar o organismo à grande altitude (mais de 4.000metros) em tão pouco tempo, situação agravada pelo cansaço e exaustão! Aproveitaram a estada de dois dias na província de Puno, cuja altitude é de 3 827 m, com cerca de 117 mil habitantes e onde fica o Lago Titicaca (na fronteira do Peru com a Bolívia – importante fonte de renda e economia para a região), para descansar e recuperarem o desgaste. Retornaram para o Brasil, entrando pelo estado do Acre (município de Assis Brasil) quase vinte dias depois, com muita aventura para contar, fotos e vídeos incríveis na bagagem e rica experiência de vida. Ah, confirmaram a ‘valentia’ das POPs que aguentaram firme e deram conta do recado direitinho. Venceram o desafio bravamente!

Related posts

Leave a Comment