Dicas de pilotagem e linguagem de sinais para motociclistas

NAS PARADAS

NAS PARADAS

O que comer?
Prefira alimentos energéticos tipo barras de cereais e chocolate. Evite alimento pesados e de difícil digestão.
Evite empanados e comidas suspeitas. Sanduiches etc. Dê preferência a batatas fritas em vez de coxinhas e de biscoitos em vez de sanduiches.

O que beber?
Beba muita água. De preferência a mineral com gás. Evita que corra o risco de pegar uma garrafa envasada. Prefira as minerais de marcas conhecidas.
Energéticos são bons mas sempre depois que se alimentar. Fazer isso em jejum não é bom, pois aumenta a adrenalina.
Junto com a água beba os repositores para atletas conhecidos Gatorade.
Hidratação é fundamental. Beba muita água! Você perde muito líquido por contado calor, vento e suor.

Onde abastecer?
Cuidado ao abastecer. Escolha postos de bandeira conhecida. Não se acanhe de pedir o teste do combustível. Sempre olhe a cor da gasolina e a sua transparência. Evite gasolina barata e postos que não merecem confiança. A gasolina batizada pode prejudicar sua viagem e te causar um grande prejuízo.
Se não tiver jeito, antes de por a gasolina no tanque, você deve filtrá-la. Um macete é usar uma meia de mulher como filtro. Corte parte dela, de preferência a parte que veste o pé e depois coloque-a sobre o tanque. Em seguida ponha a gasolina. Pelo menos vai evitar mais dores de cabeça.
Peça sempre a nota fiscal. Isso vai ajudar a descobrir que gasolina pôs e onde e é só com nota fiscal que você consegue processar o posto por gasolina batizada.

Os cuidados com a entrada em postos:
Se você já ouviu falar em tombo bobo deve saber do que estou falando. Um desses tombos bobos mais comuns acontecem nas entradas dos postos de combustível. Nas entradas, principalmente onde existem muita caminhões, sempre existe óleo e sujeira. Tudo misturado. Uma sabão. A moto vem com o pneu aquecido e emborrachado e quando entra faz agarrar nele todo o óleo e sujeira da entrada. Depois disso, perder a aderência e cair é só questão de saber se tinha muito ou pouco óleo x velocidade x pressão do freio. Se tudo isso se combinar contra você…. CHÃO! E geralmente acontece logo na entrada ou na parada triunfal em frente a loja de conveniências. Para evitar esse tombo bobo freie muito antes e reduza a velocidade o máximo que puder entes de entrar. Ao entrar verifique onde existe uma trilha que esteja limpa e entre por ali.

NA ESTRADA

NA ESTRADA

Começou a chover! O que fazer?
Uma coisa importante é conhecer um poucos os sinais de chuva. Antes de chover, além de se formar no céu aquela nuvem negra, outros sinais podem ajudar a saber se a chuva chega logo ou se ainda demora a pingar. Nuvens escuras são sim sinal de chuva, mas pode ser que essa chuva ainda demore uns bons minutos para cair realmente. Alguns sinais são importantes. Verifique a mudança do vento e da temperatura do vento. Se isso acontecer a chuva não demora mais que 10 minutos para cair. Caso contrário vai ser difícil chover naqueles minutos. Outra é olhar no horizonte e ver onde começa a pista molhada. Outro ponto é olhar e ver onde ela já está caindo. Ver isso é fácil, basta olhar o ponto em que parece que a nuvem e o horizonte estão misturando-se. Ali está a chuva e pelo vento você descobre em que sentido ela caminha. O melhor mesmo é saber sempre a meteorologia. Existem sites muito precisos alguns deles estão no UOL e no Terra, ambos provedores com serviços de confiança. Veja a imagem do satélite e observe a probabilidade de chuva e se chover quanto milimetros. Isso é importante para saber quanto tempo você terá que ficar parado e onde.

Se não puder evitar a chuva busque tomar algumas precauções:
– reduza a velocidade para 40km/h no máximo. Passe lentamente até que o pneu seja lavado. Tenha cuidado com as manchas de óleo seco que ficam na pista. Depois que molham elas desgrudam e criam uma sopa de óleo boa para colocá-lo no chão sem cerimônia. É fácil identificar pois você pode ver uma mancha em tons de cores escuras disformes em cima da pista. CUIDADO! Isso é um sabão! Se a chuva engrossar pare a moto e ponha a capa de chuva e busque um abrigo. A perda de visibilidade é outro perigo grande, pois a viseira embaça se você não tiver passado um anti-embaçante. Escolha um posto ou um lugar seguro para parar. Se a chuva vier acompanhada de raios tome o cuidado e evite ficar em lugares muito abertos ou embaixo de árvores. Busque locais cobertos. São mais seguros.
– Espere a chuva passar e depois siga. Sempre tenha em mente que isso tudo é para sua segurança. Andar na chuva pode ser agradável e tem quem goste, mas é muito perigoso, principalmente por conta dos outros carros e de caminhões.

Quando o vento é o perigo a ser vencido e controlado.

O vento é um dos elementos que pode desestabilizar a pilotagem e provocar acidentes graves. Platôs e descampados e o horário próximo ao meio-dia e entre meio-dia e duas da tarde no Nordeste, podem trazer ventos fortes que te pegarão de surpresa. Outro ponto que deve prestar atenção é com os morros cortados ou que foram aplainados para tornar a estrada mais plana. Nesses lugares o vento costuma jogar muito a máquina. Olhe a copa das árvores. Elas funcionam com um biruta natural mostrando qual a direção do vento no local de onde você está se aproximando. Quando chegar a um descampado, um platô, ou em lugares onde havia uma plantação ou mata alta, cuide de reduzir um pouco a velocidade e sentir o vento. Isso vai ajudar a se posicionar corretamente e poder pilotar com segurança sem perder a média horária.

A fome e o sono.

Muito dificilmente sentirá sono numa moto. Mas se sentir cansaço páre. Tomar um Red Bull ajuda bastante. A fome, se ela aparecer, siga a diga do que comer. Quando em viagem de moto, cuide para que o café da manhã seja de príncipe o almoço de um mendigo e o jantar de rei. Assim funciona melhor. Barriga cheia demais dá sono, lerdeza e tira reflexos.

A dor.

È muito comum ela aparecer, mas um alongamento antes de sair e nas paradas ajuda a acostumar o corpo. Cuidado com as roupas, principalmente as calças. Quanto mais duras mais elas vão incomodar seu traseiro. A dor reduz o pique e tira a concentração. Se precisar tomar remédio para alguma dor, evite aqueles que na bula proíbem dirigir.
Use cinta abdominal sempre que for viajar. Além de proteger a coluna ela ajuda a manter a postura ereta e descansa os ombros, evitando dores nas costas e desconforto.
Cuidado especial com as luvas. Se a ponta dos dedos estiver muito encostada no fim da luva haverá uma pressão sobre as unhas. Por pouco tempo não incomoda, mas por algumas horas a dor torna-se muito forte e machuca. Prefira luvas com um pouco de folga na ponta dos dedos. Isso traz conforto sem perder a aderência.

As necessidades fisiológicas.

Leve papel higiênico. Cuidado com banheiros de postos. A maioria deles é sempre muito suja ou não são limpos como deveriam. Se tiver que usar o vaso e sentar nele, peque uma canequinha e lave-o . Ande com um pouco de detergente (um pouco mesmo) misturado com um desinfetante poderoso. Passe no vaso e depois jogue água nas bordas. Em seguida cubra com papel e use o vaso com cuidado. Agindo assim você reduz bastante os riscos de contaminação.

PILOTAGEM

PILOTAGEM

As curvas

Cuidado com o mata-cachorro. Ele ajuda bastante na proteção da moto e das pernas, mas numa curva fechada pode provocar um grave acidente. Quando você faz curva a moto deita. A inclinação da moto tem um limite sem o mata-cachorro. Com ele esse limite reduz bastante. Um toquinho e chão!
Outro cuidado é com as entradas nas curvas. Antes de entrar reduza bastante e quando enxergar a saída acelere. Tenha o cuidado de sempre andar e manobrar dentro da faixa e de nunca invadir a contra-mão. Pode ser fatal.

Aceleração e limite

Acelere lentamente e vá aumentando até que chegue a velocidade desejada. Nada de acelerar bastante e tentar chegar rapidamente a velocidade de cruzeiro. Vá acelerando lentamente até atingir a velocidade de cruzeiro desejada, isso ajuda a economizar equipamento, reduz o aquecimento precoce da moto e economiza combustível.
Animais na pista.

Eles aparecem quando menos se espera e principalmente quando estamos desatentos. Sorte à parte, é possível reduzir bastante teste risco. Escolha uma hora boa de viajar. Geralmente entre 7 da manhã e 17 horas. Nesse horário os bichos estão a trabalho ou pastando e não oferecem tanto perigo. À noite os animais selvagens cruzam a pista e é comum ver raposas e gambás atropelados.
Em locais de mata alta ou que cobrem a visibilidade da lateral da pista, a recomendação é ir mais devagar e prestar atenção nos arbustos. Arbustos agitados num lugar apenas pode ser bicho ou criança correndo para atravessar a pista. Muita calma nessa hora! Esses acidentes, na maioria das vezes, são fatais.

SAINDO DA CIDADE E CHEGANDO

SAINDO DA CIDADE E CHEGANDO

Acelerando e desacelerando aos poucos.

Está comprovado que a maioria dos acidentes acontece nos últimos vinte ou sessenta quilômetros na chegada e na saída. Por que isso? Em ambos os casos a afobação e o excesso de confiança andam juntos e acabam por tirar a concentração do piloto. Acrescente-se a esse dois fatores a euforia e está dada a partida para a fase de alto risco de acidentes. Para evitar que seu passeio ou comece mal ou acabe mal é importante observar como os aviões se comportam. Existe todo um procedimento de preparação para decolagem e pouso, que na realidade é uma queda controlada. Antes de sair reserve tempo para checar os pontos importantes e o equipamento. Confira a rota, combustível e o tempo. Isso ajuda a baixar a ansiedade. Depois saia devagar como que taxiando pela cidade até chegar a parte expressa da rodovia. Quando na estrada comece acelerando devagar em três etapas: 80km/h, 100km/h e depois de alguns minutos vá a 110km/h e se der vá a 120km/h. Na volta o processo é o mesmo, só que inverso. Faltando entre cinco e dez porcento da distância que irá percorrer você deve começar a baixar a velocidade. Inicialmente caia para 90km/h e depois vá caindio lentamente até chegar aos sessenta ou quarenta quilômetros horários. Duas dicas importantes: assim que sair da estrada e antes de completar a primeira hora faça uma parada tática para tomar uma água e ir ao banheiro. Depois retorne ao acelerador. Neste momento a adrenalina supera a ansiedade e a euforia e isso ajuda muito na concentração. Lembre-se de que toda atenção é fundamental. Faça isso na ida e na volta. Chegue devagar, como se estivesse fazendo uma aterrissagem. Nos pousos existe uma velocidade de aproximação e outra de pouso. Isso também acontece com a decolagem: o avião acelera apenas o que precisa e depois vai gradualmente aumentando até chegar na conhecida velocidade de cruzeiro. Numa moto e num carro as coisas devem acontecer da mesma forma.

AVALIAÇÃO DIÁRIA

AVALIAÇÃO DIÁRIA

A nota para o piloto e para a moto.

Uma brincadeira que criei para me ocupar numa viagem solitária foi a de me dar nota para cada dia da viagem. Essa nota era a média de cada trecho percorrido entre paradas. Interessante que isso ajudou a corrigir alguns males que poderiam me colocar em maus lençóis. No final do dia avalio a minha pilotagem, a meta de horário de chegada, as condições da estrada x as informações que eu tinha, descuidos com buracos, erros de autonomia etc. Enfim, o que foi esperado e o que foi percebido. No final me dou uma nota e essa nota vai determinar a minha postura no dia seguinte. Isso ajuda a praticar a autocrítica, coisa muito difícil de fazermos, mas importante. Fiz isso e na ida, no trecho entre Fortaleza e João Pessoa me dei nota 10 pois tudo saiu correto e as soluções apresentadas e as soluções tomadas estavam certas. No trecho seguinte a afobação de tentar chegar no mesmo dia a Salvador quase me fez cair na Síndrome do Titanic. Para este dia eu me dei nota 7. No terceiro, ou melhor, nas últimas quatro horas de viagem corrigi meus erros e recobrei o equilíbrio. Resultado – nota 10 e nenhum erro mesmo o posto longe demais e o medo da pane seca não me fizeram perder a calma e a concentração. Nem mesmo os curtos circuitos que a moto teimava em não parar de apresentar. Isso foi importante para o retorno. Em todo trecho, em todas as fases me dei nota dez. Nenhum erro. Tente!

O QUE NÃO FALAR

O QUE NÃO FALAR

Quando te perguntam se viaja só.

Uma moto custom, speed ou big trail equipada e carregada chama muito atenção em postos de gasolina. Lá também podem existir ladrões procurando uma chance de ganhar uma moto esperta que nem a sua. Um macete é utilizar o celular enquanto abastece e fazer de conta que está falando com alguém do grupo. Comente com o frentista que você vem batendo(na frente) para um grupo grande que vem atrás a uns 20 minutos de você. Se te perguntarem se está só responda a mesma coisa. Vai inibir. Na maioria das vezes é apenas curiosidade, mas por via de dúvidas…é melhor não vacilar.

Para onde vai?

Nunca diga sua rota a estranhos. Um macete é dizer que vai por uma rota diferente ou que vai parar na cidade mais próxima e dormir lá para ver um amigo da PRF que o está esperando. Se for o caso simule uma ligação e diga que já está chegando. Também ajuda a inibir.
Outra dica é manter uma lista de amigos no seu celular e em cada parada mandar uma mensagem que chegou, via torpedo a todos. Quando sair faça a mesma coisa. Dessa vez informe que está saindo em direção a outro ponto de parada. Caso demore a contatá-los alguém liga para você e em caso de acidentes ou de pane saberão em que trecho estará. Dá um trabalhinho lembrar de fazer isso sempre, mas é mais seguro e fica mais interessante para quem não foi acompanhar a sua viagem. Pode crer!

TAXIANDO...


Quando chegar na cidade o que você deve fazer?

Gosto de seguir as dicas do Kléber Tinoco no texto Mandamentos… das dicas de Moto Segura da revista MOTO! Ai vão elas:
1 – Leia atentamente o manual da sua moto. Lá você vai encontrar informações importantes sobre as normas de circulação, sobre sua motocicleta e principalmente sobre uma pilotagem segura.
2 – Não trafegue pela direita. Mantenha-se na sua faixa de rolamento. Lembre-se que muitos não sinalizam quando vão virar à direita e também não esperam ser ultrapassados por esse lado.
3 – Cuidado com os cruzamentos. A maioria dos acidentes de com motociclistas acontece nos cruzamentos, portanto, quando você for parar utilize os retrovisores para evitar surpresas por trás. Não “largue” assim que o farol ou semáforo abrir, dê um tempo para os atrasados e e evite ser surpreendido. Independente da sinalização ou não, sempre que for atravessar um cruzamento, redobre a atenção, reduza a velocidade e cruze com segurança.
4 – Respeite a sinalização. Procure conhecer e obedeça a sinalização de trânsito; lembre-se que para tudo existem regras e elas devem ser cumpridas.
5 – Não costure no trânsito. Evite isso principalmente em via de maior velocidade. Os motoristas não esperam que isso aconteça e uma mudança brusca de faixa pode resultar em acidente. Só trafegue entre os carros com o trânsito lento, ande devagar e com atenção.
6 – Mantenha distância segura tanto dos veículos que vão à sua frente como os que estão ao seu lado; não dê margens para ser ultrapassado dentro da mesma faixa de rolamento.
7 – Concentre-se! Concentração é extremamente importante para qualquer motociclista, fique atento.
8 – Evite ângulos de visão mortos. Ver e ser visto é fundamental: posicione-se de forma que os outros possam vê-lo.
9 – Se vai beber, não dirija e se vai dirigir, não beba. Em praticamente 70% dos acidentes o álcool estava presente e dirigir alcoolizado é crime. Respeite os outros e, quando beber, use um táxi….
10 – Seja camarada e educado, cortesia não faz mal a ninguém… Procure ler e se informar cada vez mais sobre o trânsito. Todos precisamos fazer isso para que o trânsito comece a mudar.

LINGUAGEM DOS SINAIS

LINGUAGEM DOS SINAIS

Alguns sinais básicos, usados por batedores e motociclistas militares, e podem ser entendidos por todos.
O sinal deve ser preferencialmente feito com a mão esquerda – que é a mais “livre” durante a pilotagem.
Apontar com a mão esquerda para baixo ou para um objeto ou ponto no solo:
-buraco, lombada, óleo ou outro tipo de obstáculo, reduza a velocidade e procure desviar(se possível).
A mão e o braço esticado sobem e descem sucessivamente:
-perigo, reduzir a velocidade.
Mão e braço balançando para trás e para frente, como um remo:
-o grupo está muito disperso, os mais atrás devem acelerar para se aproximar um pouco mais.
Braço esquerdo apontado para a esquerda:
-atenção, reduzir para entrar à esquerda – o piloto deve sinalizar com o braço e acionar o pisca esquerdo em seguida.
Braço esquerdo dobrado sobre o capacete com a mão apontando para a direita:
-atenção, reduzir para entrar à direita.
Mão esquerda apontando para cima e realizando círculos no ar:
-atenção o grupo deve retornar
-quando o grupo está parado, também pode significar acionar os motores para a partida.
Mão esquerda apontada para cima e espalmada:
-atenção, situação de emergência à frente, exigindo cautela e redução de velocidade.
Apontar para o tanque de combustível e em seguida simular uma degola de garganta com a mão esquerda:
-a moto entrou na reserva de combustível, indicando que aquele piloto necessita parar assim que possível para abastecimento

O MOMENTO DA BOBEIRA

O MOMENTO DA BOBEIRA

Parece incrível, mas é verídico: boa parte dos acidentes de moto acontecem a menos de 10 minutos de distância do ponto de partida ou de chegada, devido a distrações na pilotagem. Em parte, isso se explica pela excitação no momento da partida ou um certo relaxamento já próximo ao destino. Portanto, dentro de um território conhecido.
Uma das melhores maneiras de se concentrar é estar plenamente ciente de que a viagem realmente já começou. Mesmo que as ruas e avenidas ainda lhe sejam familiares, imagine-as como se fossem de uma localidade distante observando toda a movimentação à sua volta constantemente. Dê atenção especial aos cruzamentos e semáforos.
Problemas pessoais ou assuntos pendentes de resolução devem ser esquecidos durante a pilotagem? Desligue-se” desses pensamentos, concentre-se no caminho que terá pela frente. Aproveite que você está fazendo o que gosta e esqueça dos problemas.
Se for necessário, leve mapas ou cópias de guias rodoviários com indicações de entroncamentos rodoviários e entradas e saídas das cidades desconhecidas. Procure decora-los. Mas se precisar consulta-los durante a viagem, lembre-se de estacionar em local seguro. Geralmente, postos de gasolina ou da polícia rodoviária são locais apropriados para essas paradas e os funcionários poderão ajudar com informações.
Nos primeiros quilômetros, procure sentir as reações da moto em frenagens, curvas, acelerações, verificando se tudo funciona corretamente. Confira se a bagagem está bem acomodada e segura. Se alguma anormalidade for notada, corrija antes de iniciar realmente a viagem. Não se arrisque a problemas na estrada.

DICAS

DICAS

As massas utilizadas nas extremidades do guidão, servem para aumentar a sensibilidade e o controle das oscilações e vibrações do guidão, beneficiando inclusive a maneabilidade da motocicleta.
A velocidade de cruzeiro ideal de uma motocicleta é entre 50 e 75% da sua velocidade real máxima.
Motos esportivas foram feitas para andar rápido e é assim que os motoristas da estrada esperam que você reaja. Então não ande em velocidade muito baixa, caso contrário terá muitos sustos e surpresas com os carros. mas também não exagere, mantenha a velocidade compatível com seu conhecimento e experiência, procurando manter total segurança. Segurança sempre em primeiro lugar.
Mantenha o farol baixo sempre ligado, mesmo de dia, mas bem regulado, para não atrapalhar a visão dos outros veículos. Se for andar muito rápido, ligue o farol alto.
Como a motocicleta é um veículo pequeno, isso ajudará os outros veículos a lhe notar no trânsito, aumentando a sua segurança.
Início da chuva é uma das horas de maior acidentes, pois a quantidade de água ainda não foi suficiente para lavar a pista, e ao se misturar com resíduos de óleo e poeira forma-se uma ” borra” muito escorregadia. NÃO FREIE BRUSCAMENTE NA CHUVA e nunca freie só com o freio dianteiro se estiver em piso escorregadio.
Em caso de pista molhada, utilize as marcas deixadas pelos pneus dos carros. Nestas marcas a quantidade de água no asfalto é menor e a aderência do pneu melhora.
Na chuva com a pista molhada, suspeita de areia ou óleo, ao fazer curvas evite deitar a moto. Saia levemente do banco, compensando a inclinação da moto.
Na chuva, cuidado com poças de água. Podem esconder buracos ou pedras. Diminua a velocidade e evite passar sobre elas.
Quando o trânsito estiver parado, preste atenção nos pedestres que atravessam a pista fora da faixa de segurança.
Não fique muito perto de ônibus de turismo e interestadual, porque você pode virar o alvo da descarga dos banheiros.
Cuidado com a sujeira que se forma na margem da estrada. Pode-se escorregar ou levar pedrada de um veículo à sua frente que passa em cima da sujeira. mantenha distância deles se estiver próximo ‘a uma margem.
Em congestionamento, é essencial para sua segurança manter a prudência e a velocidade baixa, trafegando no máximo a 20 Km/h, pois com esta velocidade é possível ter reflexos mais rápidos para quaisquer imprevisto que possam surgir. No trânsito sobrecarregado redobre a atenção e diminua a velocidade, pois os automóveis podem mudar de faixa sem prévia sinalização.
A “confiança” pode levar a um acidente. Nunca deixe de estar atento ao pilotar sua motocicleta até chegar ao seu destino, mantendo sua postura e memorizando o trajeto a seguir.
Quem erra mais facilmente é aquele que acha que já sabe pilotar muito bem. Um pouco de medo sempre ajuda muito.
Sempre permaneça em local visível aos motoristas. Trafegar do lado esquerdo mantendo distância do automóvel a sua frente é ideal.
Ao trafegar por vias onde os veículos estão estacionados ou ônibus parados no ponto, diminua a velocidade prestando muita atenção pois pedestres podem aparecer inesperadamente para atravessar a rua.
Nunca se envolva em discussões no trânsito, mesmo se você estiver 101% com a razão. Já aconteceu de amigos pararem o outro veículo para reclamar da forma de dirigir perigosa do motorista e ele saiu do carro com arma na mão.
O capacete é um equipamento necessário e muito importante para a sua segurança. Use sempre cores claras e nunca deixe de prendê-lo. E capacete aberto é só pra praia, andando a menos de 60 km/h.
A motocicleta sempre deve estar em boas condições para trafegar, para sua própria segurança : parte elétrica, mecânica e PNEUS sempre em ordem. Faça uma inspeção periódica toda vez que for sair com sua motocicleta (óleo, calibragem, lubrificação da corrente, etc.

Cumprimente e agradeça as cortesias quando de uma ultrapassagem

Quando for sair de moto tenha responsabilidade e se for levar alguém em sua garupa tenha o dobro de atenção, pois a vida da outra pessoa está em suas mãos !
Ao se deparar com um obstáculo (como buraco ou lombadas) em alta velocidade, procure frear até próximo do mesmo, mas transponha o obstáculo com os freios soltos, deixando para frear após o obstáculo. O impacto do obstáculo com as rodas presas é maior.
Alguns motoristas geralmente dão passagem às motos grandes. Sempre agradeça o gesto dando uma leve buzinadinha.

Quando cruzar com outros grupos ou colegas de estrada, cumprimente !

admin

Você e sua moto! Nós amamos motos!

Você pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *