A culpa é do Orkut? Não dessa vez!

Mais uma vez o Orkut leva a culpa pela destemperança de pessoas que não estão preparadas para lidar com uma poderosa ferramenta de relacionamento. É claro que o Orkut tem problemas. Recentemente uma mega operação que chamei de ‘A Batalha de Orkut’ foi travada para mapear e punir a pedofilia e a pornografia infantil. Muitas operações foram realizadas pelo mundo a partir do Brasil com a ajuda da Polícia Federal. Muitos foram presos.

Algum tempo atrás as torcidas marcavam encontros para acertarem brigas. Depois de algumas prisões isso praticamente acabou. Porém um outro problema, vez por outra, vem à mídia: os crimes passionais cometidos por ciúme ou pelo ciberciúme!

Recentemente uma crise de ciúmes provocada por uma adição ao Orkut acabou em seqüestro e morte. Sim, seqüestro da namorada do rapaz que por conta de tantasbrigas resolveu não mais voltar o namoro. O Orkut tem culpa disso? Não! Esta culpa o Orkut não tem. Quem não tem capacidade de resolver pequenos problemas de insegurança e de confiança não deveria não ter apenas o Orkut. Também não deveria ter amigos e muito menos namorar. Ciúmes acontecem e temperam um pouco o relacionamento e, se algo pode vir a prejudicar a relação, os dois devem conversar e resolver a coisa de maneira racional. Acontece que muita gente leva isso tudo a termo e as coisas pioram bastante chegando às vias de fato. Também não adianta falar que isso é coisa de adolescente. Adultos e até idosos têm problemas e muitos problemas com a justiça por utilizarem o Orkut para suas vinganças passionais. Se você tem medo de se expor em comunidades virtuais não as crie e muito menos monte um perfil. Como diz o ditado: ” Tá na chuva? Então saiba que você pode se molhar!”

Acontece que este tipo de problema começa fraquinho e acaba virando uma doença grave e chega mesmo ao crime. Pesquisando sobre o tema na internet descobri algumas coisas interessantes.O novo nome do medo da infidelidade do parceiro chama-se CIBERCIÚME. O Ciberciúme nada mais é que pessoas que não conseguem ficar um dia sem acessar o Orkut do namorado ou namorada, fuçar o celular para saber se ele ou ela recebeu ligações de uma mulher desconhecida ou de homem ou, ainda, acessar o e-mail dele para procurar algo suspeito.

No blog Digestivo Cultural um texto escrito em tom de depoimento chama a atenção pelo realismo com que foi escrito. O ótimo texto ‘Adeus, Orkut!’ de Ana Eliza Nardi traz pontos muito interessantes sobre muitas coisas que alguns de nós já aprontou em reação ao que eles chamam de ‘vício’ que em latim quer dizer ‘defeito’.

Segundo ela escreve “Tentei de tudo para me preservar: deletei fotos, scraps, tirei o link problog. Passei a recusar todo e qualquer desconhecido na minha lista e por fim deixei de escrever para os amigos. Enfim, decidi não deixar pistas mais e apagar as existentes. Antes que pensem que sou neurótica, só fiz tudo isso porque realmente a invasão de privacidade foi absurda, encontrei com um desses psicóticos soltos pela Web e quase enlouqueci com isso. Eu, que escrevia blogs há 4 anos, tive medo de ter minha vida exposta e me fechei completamente para o mundo virtual naquele momento. A única solução realmente eficaz seria deletar minha conta e foi o que fiz. Foi definitivo dessa vez e não estou sentindo falta daquele mundo. Lembro que, em dezembro de 2004, numa das minhas idas a Porto Alegre, conheci um garoto que havia acabado de se “suicidar” no Orkut e, enquanto ele falava nos males da superexposição, eu argumentava que não há como ter privacidade total. Realmente, não há e foi por isso que eu saí, se não quero que saibam sobre mim, melhor fazer segredo, certo?!”

As mentiras e as armações para provocar ciúmes no Orkut são constantes e podem acontecer a pedido do próprio dono do perfil. Numa matéria realizada pelo Estadão com o título “Recados virtuais põem amor à prova” em setembro de 2005, o estudante Guilherme Pires, de 25 anos aprontou uma dessas e quase se deu mal. Segundo ele “amigas minhas pediam para escrever recados para deixar os namorados com ciúmes quando eles estão ausentes”. “Uma vez, fui obrigado a pedir que uma amiga se passasse por minha namorada virtual, só para afastar uma garota que estava interessada em mim.” Aqui o bicho pegou. “Suei, depois, para convencer uma pretendente que estava solteiro, que aquilo era uma farsa.” Conclui.

Algumas amizades também foram para o espaço por conta do mau uso do Orkut. Ainda na mesma matéria o depoimento do comerciante Lucas Rocha, de 24 anos, confirma isso. Ele lamenta que um recado no Orkut tenha estragado uma grande amizade. “Escrevi, sem maldade, que amava minha amiga” , conta. O namorado dela ficou furioso. “Quase saímos na mão.” Lucas se arrependeu de ter mandando um recado tão íntimo pelo Orkut. “Todo mundo que leu a mensagem entendeu errado” , lamenta.

Homens e mulheres têm opiniões parecidas a respeito do que acontece quando começam a desconfiar do parceiro. O Yahoo fez uma pequena enquete sobre o tema e eu pesquei algumas respostas interessantes (Os textos estão na íntegra, inclusive com os erros de português).

“Bem eu deixei de participar justamente por causa da mulher que eu amo ,tanto eu quanto ela moremos de ciúmes um do outro ,então fechei meu orkut e abri outro só pra ela ,ou melhor só tenho ela como amiga agora ,em partes resolveu o problema porque ela nunca mais teve ciúmes de alguém do orkut , mas eu ainda morro de ciúmes do orkut dela kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk ,mas fazer o que , tenho que confiar ao máximo nela , só pedi a ela que não adicione + homens kkkkk porque acho que tem muito safado na net , poucas pessoas estão afim de amizade mesmo , é acho que isso abraçãooo (Jorge)”

“Infelismente aconteceu comigo.quando as pessoas entravam para visitar o meu orkut fica gravado dai meu marido achava q eu conhecia aqueles visitantes e ai o pau quebrava.então para acabar com as discuçoes exclui meu orkut e agora só tenho msn. (Sonia)”

Teógenes Levi, um pensador cearente afirma que “Nada é inventado na internet. Ela é apenas uma reprodução das coisas da vida. As boas e as ruins”.

Está certo o pensador. A Internet não é a causa de tudo de ruim que anda por ai. Na realidade ela deixa cair a máscara para mostrar a verdadeira face do mundo e assim muitas pessoas se chocam ao ver crimes, terrorismo, pedofilia, pornografia de todos os tipos. A internet é algo maravilhoso, pois democratiza a informação e consolida o conceito de globalização ultrapassando assim as fronteiras e desconhecendo regimes.

Mas é inegável as síndromes de comportamento que a internet proporciona e a força que dá na sua amplificação. O caso Eloá mostra isso. Todo mundo acompanhou e torceu por um final feliz, mas não foi o que aconteceu. Não quero aqui discutir a operação, pois o Fórum não é para isso, mas toda a tragédia foi provocada por uma vingança por motivos passionais atrelada a grande desequilíbrio comportamental.

Caso semelhante ao de Eloá aconteceu na Inglaterra e teve o estopim em um site de relacionamento. O inglês Wayne Forrester, foi condenado à prisão perpétua, e deve cumprir pelo menos 14 anos antes de ter direito a qualquer revisão de pena. O motivo do crime: Crise de ciúmes surgida na rede social Facebook como o principal motivo do crime. Wayne e Emma se separaram em fevereiro deste ano e, quatro dias depois, ela foi morta na própria casa com golpes de faca e de um cutelo de açougue. Wayne confessou o crime assim que a polícia chegou ao local, na cidade de Croydon (Inglaterra). Ele explicou o caso, dizendo que havia sido expulso de casa e que Emma estava “anunciando” a separação no site de relacionamentos. Após a separação, Emma teria atualizado seu perfil no Facebook, alterando o status de “casada” para “solteira”. Foi o que bastou para Wayne encarar a atualização de perfil como uma provocação e isso o deixou desesperado a ponto de rodar 24km para assassinar a ex-companheira.

Recentemente um homem que divulgou e-mails dizendo que a ex-namorada era “garota de programa” está obrigado a indenizar a moça em R$ 30 mil, por danos morais, mais juros. A decisão é do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul e foi mantida pelo juiz Carlos Fernando Mathias, da 4ª Turma do Superior Tribunal de Justiça, que não analisou o Recurso Especial do ex. A ex-namorada afirmou na ação que recebeu diversas ligações de homens que queriam contratá-la para fazer programas sexuais. Isso porque o ex-namorado, para se vingar, mandou e-mails com o nome dela, profissão, telefone e faculdade, junto com a foto de uma outra mulher em posição erótica, diz a ação. Por causa dos boatos, a ex-namorada teve até de sair do clube do qual era sócia.A ex-namorada obteve a informação de que o correio eletrônico pelo qual foram enviados os e-mails pertencia ao ex-namorado dela e que a assinatura do provedor da internet pertencia ao irmão dele.

Pode acontecer com qualquer um?

O advogado Guilherme Stinighen Gottardi, 26 anos, foi preso sob a acusação de ter falsificado perfil de duas pessoas no site de relacionamento Orkut. Ele criou perfis de uma colega de trabalho, onde ela aparece nua em uma fotomontagem, e do noivo dela, apresentado como homossexual. O acusado vai responder por falsidade ideológica, cuja pena pode ser de um a três anos de prisão, mais multa. A polícia afirma que o advogado “provavelmente tinha atração, amor pela vítima”. “Como não era correspondido, ele começou a fazer perfis falsos no Orkut”, diz o investigador André Gustavo da Silveira, do 1º Departamento de Polícia Civil de Santa Catarina.

A juíza Carmen Silvia de Paula Camargo, que respondia sindicância por ordenar escuta telefônica contra o ex-namorado e prender o pai dele, desistiu de ser promovida. O Órgão Especial do Tribunal de Justiça de São Paulo homologou o pedido de desistência em 17/5. Carmen havia sido indicada pelo Conselho Superior da Magistratura, por antiguidade, na lista da entrância intermediária para a Comarca de Jundiaí, interior paulista.

Processando a pessoa errada.

Uma jornalista, que tem conta no Orkut desde março de 2006, ajuizou a ação depois que foi informada pelo seu filho de mensagem que a atacava. O texto era anonimamente assinado por um Vingator. A jornalista alegou que é conhecida na cidade de Araxá (MG) por sua boa conduta. As mensagens poderiam prejudicar o seu trabalho de assessoria para empresas e políticos da cidade, segundo ela.

O Google na sua defesa afirmou que o conteúdo inserido no site é de responsabilidade do usuário e que os provedores não podem fiscalizar e controlar previamente as milhares de novas informações inseridas no site. Para tanto, o Google oferece ferramentas para que os próprios usuários possam denunciar o conteúdo que viole os termos de uso do sistema. A jornalista não se utilizou dessa ferramenta. Se assim tivesse feito e o Google nada fizesse teria sim possibilidade de ganhar a causa.

O desembargador Osmando Almeida, relator do processo, entendeu que “quem participa de comunidades de relacionamentos Orkut e lá divulga dados pessoais assume o risco de que danos à sua honra e imagem ocorram” . Para o desembargador, “os provedores de serviços de internet estão isentos da responsabilidade de controle e monitoramento do conteúdo das informações transmitidas ou armazenadas por terceiros na internet, segundo o artigo 15 da Diretiva 2000/31 da Comunidade Européia, salvo quando notificados da prática de um ato ilícito realizado ou em vias de ser praticado”. Segundo o juiz, a jornalista deve buscar ressarcimento por danos morais com quem criou as mensagens.

Só elogios… Só?

Como o próprio ex-presidente José Sarney, a modelo Daniela Cicarelli e Rubens Barrichellotentaram impedir críticas, divulgação de imagens e a criação de comunidades com seus nomes no Orkut. Barichello exigiu do Google, por exemplo, a retirada de todas as comunidades do Orkut com críticas ao seu desempenho nas corridas de Fórmula 1. Eliminaram as negativas, as comunidades positivas ficaram no ar, mas o efeito não adiantou e ainda hoje é possível encontrar gente falando mal do Rubinho.

O mesmo acontece com Cicarelli que tentou, em vão, suspender a divulgação do seu vídeo ‘caliente’ com o namorado numa praia espanhola. Contratou advogado, chamou o oficial de Justiça e os arquivos continuam sendo acessados em todo o mundo. Essas ações parecem ser irrelevantes porque a capacidade de propagação dos conteúdos gerados pelo internauta é extremamente mais veloz do que qualquer oficial de Justiça.

Silenciar os blogs ou impedir que publiquem críticas é pura censura. Agora, as pessoas que os escrevem devem ter em mente que existe punição pesada para quem passa dos limites. Cicarelli e Barichelo, se não querem ser criticados que deixem a vida pública ou mudem de comportamento. Para Cicarelli basta tomar mais cuidado com o que faz na rua e o Barrichelo que seja um melhor piloto.

Ofender uma pessoa pela internet gera indenização.

O entendimento foi reafirmado pela juíza Vânia Jorge da Silva, da 9ª Vara de Família, Sucessões e Cível de Goiânia (GO). Ela condenou uma internauta a pagar R$ 2 mil de indenização por danos morais a seu ex-amante. Motivo: ofensa por e-mails e pelo Orkut, site de relacionamentos na internet.

Na ação, o ex-amante relatou que teve um relacionamento extraconjugal com a internauta em 1989. Da relação, resultou uma filha, à época com 16 anos. Quando a mulher do ex-amante morreu, a internauta ajuizou ação na Justiça contra ele a fim de conseguir pensão alimentícia para a filha. Julgada improcedente a internauta ficou inconformada e passou a ofendê-lo por e-mails e na sua página do Orkut, à qual todos tinham acesso por estar ‘destravado’.

A juíza Vânia da Silva também levou em conta o fato de que as ofensas foram feitas não somente por meio de e-mails, mas também pelo Orkut. Dessa forma, os insultos se tornaram públicos e acessíveis às pessoas que costumam navegar pela internet.

Relacionamentos difíceis existem aos montes. O correto é, quando estiver diante de um desses, que tome todo cuidado e se preserve um pouco mais. Em determinadas situações a exposição deve ser controlada ou evitada até que a ‘poeira assente’. Eloá, a jovem que teve sua vida encerrada por um desequilibrado, estava na faixa de perfil dos maiores usuários do Orkut e como toda jovem saudável gostava de se relacionar, trocar mensagens, participar de comunidades e paquerar. Até aqui tudo normal, jovem e humano. O que desanda para a anormalidade são as imprevisíveis reações que alguns têm diante da insegurança nos seus relacionamentos, seja ele por ‘ciberciúme’ ou pelo ciúme real e por isso o Orkut não tem culpa nenhuma. Não desta vez.

Related posts

Leave a Comment