Teste de Motos 

Teste BMW R nineT por Motonline

“R-Ninety”,  o som desse nome tem força. “Ninety” ou noventa, que é o nome para fazer referência às BMW R 90 S de dois tons, dos anos 70. Aquela com pintura esfumaçada no tanque e na pequena carenagem que incorporava o farol. A mais clássica das BMW, com 900cc reaparece daqueles anos para lhe dar esse nome, mas com nova grafia. BMW R nineT.  Ela foi feita para você customizar, deixá-la do seu jeito.

A moda é coisa tradicional, com imagem perene sobre os aspectos determinantes de uma época. A BMW R NineT reflete todos os aspectos da marca com o estilo retrô, sem deixar de lado os benefícios da tecnologia atual

A moda agora é coisa tradicional, com a imagem perene sobre os aspectos determinantes de uma época. A BMW R NineT reflete todos os aspectos da marca com o estilo retrô, sem deixar de lado os benefícios da tecnologia atual

E ela pode vir em qualquer cor, desde que seja preta – Opa, quem disse isso foi Henry Ford quando perguntado por que o modelo T só tinha aquela cor – Desde então se diz isso de todos os modelos que são vendidos nessa única cor.

Principais acessórios para personalização

Assento da garupa Comfort

Assento da garupa Comfort

• Maior conforto no assento da garupa com um design exclusivo • Estofado mais largo e espesso em comparação ao que vem originalmente na motocicleta • Superfície do banco de alta qualidade feito com couro artificial • Costura dupla ornamental nas cores branca e preta • Logotipo bordado nine T na cor dourada • Visual e materiais similares ao assento padrão • Também pode ser montado em conjunto com assento do piloto personalizado • Não pode ser utilizado com a bolsa traseira ou com a cobertura traseira de alumínio

Assento do piloto personalizado com o logotipo R nineT

Assento do piloto personalizado com o logotipo R nineT

• Exclusivamente projetado para uma maior personalização da modelo • Linhas visualmente atraentes, especialmente quando vistas de lado – Continuidade das linhas a partir do tanque de combustível • Superfície do banco de alta qualidade com estrutura de assento diferenciada – Superfície com pontos em alto relevo antiderrapante • Costura dupla ornamental nas cores branca e preta • Logotipo bordado nine T na cor dourada • Ligeiramente inferior (altura), com mais fina tapeçaria • Altura do assento: 775 milímetros (de série: 785 mm) • Comprimento do arco das pernas: 1.755 milímetros (série: 1.760 milímetros)

Cobertura traseira alumínio

Cobertura traseira alumínio

• Cobertura traseira feita de alumínio • Encosto com superfície de alta qualidade • Compartimento de armazenamento pequeno à prova de respingos, sem trava • Instalado para substituir o banco do passageiro na garupa • Recomendado para quando o quadro de aço do garupa for removido • Não pode ser utilizado com a bolsa traseira

Bolsa traseira com sistema de fixação

Bolsa traseira com sistema de fixação

• Prática bolsa traseira com fecho à prova de água • Material à prova d’água feito de 40% poliéster, 15% algodão e 45% poliuretano • Volume: aprox. 40 l • 2 bolsos externos à prova d’água • Cobertura da roda sobresselente adaptada com precisão, em EVA e com revestimento antiderrapante de poliuretano precisamente montado no assento da garupa • Cinta transportadora (removível, comprimento ajustável, acolchoada) com alça transportadora • 2 cintos de comprimento ajustável para a compressão de volume, bem como opção para o armazenamento de bagagem adicional na parte de baixo • Elegantes fivelas escovadas de metal com relevo da marca escrita BMW – Opção de dois ganchos para o fecho (dependendo de quão cheia a bolsa estiver) • Etiqueta de metal pequena com logotipo BMW Motorrad • Design atraente • Carga máxima: 5 kg • Cor: Preta • Não pode ser utilizada em combinação com a cobertura traseira de alumínio e o assento Comfort para garupa

Mochila de tanque com sistema de fixação

Mochila de tanque com sistema de fixação

• Mochila de tanque altamente funcional • Material impermeável feito de 40% poliéster, 15% algodão e 45% poliuretano • Compartimento principal impermeável com fecho de correr: – Volume: aprox. 11 l – Bolsa interior de tecido de nylon com revestimento de poliuretano – Impermeável devido a fecho de rolo com fivela de encaixe e costuras coladas. • Bolsa exterior anexada à tampa do tanque • Abertura de plástico à prova d’água – Acessível por meio de duas aberturas no compartimento principal – Antiderrapante com revestimento de poliuretano • Compartimento de malha pequeno na parte de dentro da superfície da bolsa • Cobertura da roda sobresselente adaptada com precisão em EVA e com revestimento antiderrapante de poliuretano • Alça para facilitar o transporte com as mãos • Elegantes fivelas escovadas de metal com relevo da marca escrita BMW – Opção de dois ganchos para o fecho (dependendo de quão cheia a bolsa estiver) • Etiqueta de metal pequena com logotipo BMW Motorrad na parte de trás • Inclui placa de fixação com material antiderrapante e com uma abertura para o tanque de combustível

Assento da garupa Comfort
Assento do piloto personalizado com o logotipo R nineT
Cobertura traseira alumínio
Bolsa traseira com sistema de fixação
Mochila de tanque com sistema de fixação
Paralama em fibra de carbono
Proteção para os joelhos
Escape esportivo Akrapovič

Mas a nineT tem qualidades que vão muito além de uma clássica, “vintage” ou “retrô”. Ela tem personalidade, com a aparência minimalista dos anos 70, tem ABS nos freios e um motor, chassi, suspensão, enfim tudo bem atual, para ninguém botar defeito. Um 1200 cc com 110 hp em 7.500 rpm e torque para esbanjar: 12,13 kgf.m a meros 6.000 rpm. Tudo isso mostra como essa moto, com apenas 220 kg, pronta para andar,  pode ser esportiva. O estilo clássico alemão, com os dois cilindros do motor boxer aparentes, a traseira mínima com o banco super fino que assusta bem um eventual garupa, faz da nineT uma opção interessante para o motociclista que quer mais do que uma clássica personalizável. Quer uma moto de performance, que seja capaz de grandes viagens e proporcionar muita diversão na pilotagem. E para tanto ela faz uso do combustível, o consumo no teste ficou entre 15,81 e 16,60 km/litro

Painel tradicional com instrumentos analógicos e uma tela LCD no centro

Painel tradicional com instrumentos analógicos e uma tela LCD no centro

Ela é assim: tem todas as características de uma moto contemporânea, no visual agradável dos anos 70. Começando pelo painel, de dois instrumentos analógicos, um velocímetro e um tacômetro com luzes espia pelo meio, juntamente com um display de cristal que presta as informações de consumo e distâncias percorridas. Apenas deixa a desejar um marcador de combustível, você só vai saber que entrou na reserva ao acender a luz de advertência, tem que ficar esperto na quilometragem percorrida. Acima de 200 km com um tanque deve-se observar as distâncias para evitar a pane seca. Apesar da boa reserva (3 litros).

Equipamento original de qualidade como os escapes Akrapovik mostra a atenção da fábrica aos desejos do motociclista experiente

Equipamento original de qualidade como os escapes Akrapovic mostra a atenção da fábrica aos desejos do motociclista experiente

A pegada do guidão é imponente, você sente a largura com os braços levemente abertos e o tronco um pouco adiantado à frente. Quase uma café racer que por causa da largura lhe deixa com o tronco levemente inclinado à frente. Não chega a pressionar as mãos e em relação às pernas a posição é bem conservadora, confortável mesmo. Com a baixa altura do banco e a natureza relativamente esportiva do chassi as pedaleiras são um pouco avançadas, deixando as pernas um pouco flexionadas demais, principalmente aos motociclistas de maior estatura.

Guidão largo, projeta o corpo um pouco à frente, mas não o suficiente para fazer pressão sobre as mãos. O conforto é bom para ficar muito tempo sobre a moto

Guidão largo, projeta o corpo um pouco à frente, mas não o suficiente para fazer pressão sobre as mãos. O conforto é bom para ficar muito tempo sobre a moto

Ao dar a partida o balanço do boxer se mostra imponente. Típica clássica alemã, tem que balançar de lado ao dar a partida e ao acelerar. Arrancando, a moto dá aquela torcida de lado. Está certo, então vamos andar com a clássica alemã e deixá-la exprimir a sua “linguagem corporal”. Arranca bem, mostra ainda essa pequena torcida de lado, que passa pela suspensão Paralever ao acelerar, tipicamente BMW das antigas.

O famoso motor da R-90 S dos anos 70 batiza essa que reflete o grande estigma da marca

O famoso motor boxer da R-90 S dos anos 70 batiza essa que reflete o estigma da marca – Repare no pedal de partida no eixo longitudinal, atrás do pedal de câmbio

Mas como você já sabe do que se trata deixa-a com suas manias ou trejeitos. O motociclista clássico de BMW sabe que essas manias são decorrentes das massas em rotação no eixo longitudinal e que nada mais do que esses pequenos balanços acontecem. A vida segue normalmente, sem mais problemas. É a característica da motocicleta alemã, que nas modernas foi quase que totalmente eliminada, com o cuidadoso balanceamento de eixos que viram em sentido contrário, cancelando um ao outro os momentos de torque,  que nas clássicas provocavam o famoso balanço de lado. Pilotos BMW de competição diziam que a técnica de curvas para direita e esquerda com as famosas boxers clássicas eram diferentes, quem não estava acostumado fatalmente caia, virava bem para um lado mas para o outro, ao acelerar na saída da curva, raspava tudo. A nineT reedita o balanço das BMW numa medida que apenas se faz presente, sem nenhuma consequência prática na pilotagem, apenas revive o mito, muito interessante.

Freio com pinça de fixação radial na dianteira - Poderosos e seguros com o ABS

Freios com pinças de fixação radial na dianteira – Poderosos e seguros com o ABS

Freios poderosos, respostas rápidas do ABS lhe deixa aplicar os freios com precisão e modular os “brembos” dianteiros é muito fácil e preciso, apesar de um pequeno peso adicional no manete. A suspensão invertida na frente trabalha muito bem, desassociada da traseira que tem o Paralever fazendo com que o arco que a balança percorra seja muito maior do que o braço dela. A traseira então tem um comportamento neutro, como nas grandes GS, mas em relação à frente a pilotagem é convencional. Você se adianta para pressionar o pneu e diminuir a distância entre eixos para entrar na curva com mais precisão. Pilotagem clássica em relação à ciclística também, mas falta-lhe os controles de tração e calibração de suspensão eletrônicos.

A clássica BMW R 90 S de 1975 com pintura esfumaçada

A clássica BMW R 90 S de 1975 com pintura esfumaçada

Andando nela se repara como a ciclística é neutra. Apesar dos pequenos balanços observados pela reação ao torque do motor você pode confiar que ela vai onde você a aponta. E nas curvas, a estabilidade é muito bem controlada pela suspensão: Paralever na traseira e invertida na dianteira, de forma que a característica na pilotagem é também tradicional, diferente das atuais Telelever, presentes nas R 1200 GSque praticamente não alteram a distância entre eixos com o acionamento da suspensão.

Com a suspensão Paralever na traseira, o encurtamento dinâmico da distância entre eixos durante o trabalho da suspensão fica reduzido, ainda mais se considerar o baixo ângulo de Rake - 25,5º

Com a suspensão Paralever na traseira, o encurtamento dinâmico da distância entre eixos (e trail) durante o trabalho da suspensão fica reduzido, ainda mais se considerar o baixo ângulo de Rake – 25,5º

Manualmente podem ser feitos ajustes na traseira. Começamos o teste e verificamos a mola traseira toda relaxada (pré carga mínima) e ainda assim a moto se mostrava dura, penalizando os rins de quem andava nela. Passamos uma volta a menos no ajuste de compressão. Melhorou, e então demos mais uma volta, ficou bom. Resultou que pudemos até avançar um pouco na pré carga, pois o alívio da compressão fez com que o sag aumentasse bastante, a traseira ficou mais baixa. Parece que houve algum reajuste na unidade testada, feito por alguma revista ou site em outro teste que não foi retornado pelo fabricante, para a posição original. É que temos a sorte de ter exatamente o peso utilizado pelas fábricas para a calibração das suspensões das motos com o padrão na casa dos 80 a 85 kg. Então se a calibração não bater no nosso teste, alguma coisa está errada. Assim se mostrou na calibração da nineT: uma moto bem calibrada nos seus valores centrais de ajuste de suspensão. É preciso saber por onde alterar quando não há ajuste eletrônico, como no caso da suspensão ESA, com controle de tração ASC das R 1200 GS mais recentes.

Ajuste na pré-carga da mola traseira é manual mas não precisa de ferramentas para fazê-lo

Ajuste na pré-carga da mola traseira é manual mas não precisa de ferramentas para fazê-lo

guia-de-motos-BMWCom essa observação, a tocada se tornou neutra e mais ágil, proporcionando boa resposta da suspensão traseira quanto a absorção dos impactos, muito presentes, mas com pouca repercussão na pilotagem. As características do Paralever traseiro é bem atual, mas apenas surge como uma lembrança dos “velhos tempos”, em relação aos balanços laterais.

A BMW R nineT é uma moto Clássica, no estilo retrô que traz características muito atuais na pilotagem, na performance do conjunto que resulta em um bom aproveitamento para uso urbano e em pequenas viagens. O preço médio é de R$ 61.500,00 (FIPE, Nov-2015).ficha-tecnica-bmw-r-ninet2

 

Postagens Relacionadas

Leave a Comment

error: Não pode ser copiado. Pode ser impresso e compartilhado.