SEM ESCUTA: 55 telefones criptografados para o STF

A compra foi vista com ressalvas pelo ministro Marco Aurélio Mello, que criticou os gastos: “Temos que preservar é o sigilo do voto. Nossas conversas são abertas. Aquele que tem alguma coisa a esconder não deve assumir um cargo público”, disse o ministro.

Porém, quase meio ano depois de ocorrido o suposto grampo ilegal envolvendo o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Gilmar Mendes, o STF comprou no final do ano passado 55 aparelhos criptografados capazes de codificar conversas telefônicas, tornando-as imunes a interceptações. Serão 20 celulares da marca HCT,e 35 aparelhos Phonecrypt Prestige, desenvolvidos pela empresa alemã SecurStar, que podem ser acoplados a qualquer telefone, seja fixo ou móvel, num custo total de R$ 380 mil.

As informações fazem parte de levantamento feito pelo portal Contas Abertas no Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi). O pregão eletrônico para a compra dos equipamentos, no dia 29 de dezembro de 2008, teve como vencedora a TLS Informática, de São Paulo. Cada celular custou R$ 5 mil, e os demais custaram R$ 8 mil a unidade. Apesar de custos elevados os aparelhos só funcionam quando a ligação for realizada entre dois telefones criptografados. Ou seja, um ministro do STF não estará protegido quando fizer ligações para telefones comuns. O tribunal busca proteger a comunicação entre ministros e assessores. O que será que eles têm a esconder?

[size=9]

Postagens Relacionadas

Leave a Comment

error: Não pode ser copiado. Pode ser impresso e compartilhado.