Projeto Rosetta: A incrível versão moderna e tecnológica da Pedra de Rosetta

Grande ideia que poucos sabem que existe.

Rosetta é um projeto colaborativo entre especialistas em línguas e dialetos nativos  falados no mundo e foi imaginado para reproduzir uma versão moderna da pedra de Roseta.

Segundo a Wikipédia, a pedra de Rosetta foi encontrada no Egito em agosto de 1799, por soldados do exército de Napoleão Bonaparte, particularmente por um oficial chamado Bouchard, enquanto conduziam um grupo de trabalho de engenheiros para o Forte Julien, cerca de 56 km ao leste de Alexandria. Devido aos termos da capitulação francesa diante do Reino Unido em 1801, a pedra foi cedida às autoridades militares britânicas e depositada no Museu Britânico, onde se encontra até hoje. O bloco de pedra apresentava glifos cunhados em três partes distintas. Cada parte revelava um tipo de escrita que em nada se assemelha às demais. As três formas, constatou-se posteriormente, eram um texto em: Hieróglifos, Demótico egípcio e Grego clássico.

O texto registra um decreto do corpo sacerdotal do Egito, reunido em Mênfis, instituído em 196 a.C., sob o reinado de Ptolemeu V Epifânio(205 a 180 a.C.), escrito em dois idiomas: Egípcio Tardio e Grego. A pedra tem 114 cm de altura, 72 cm de largura, cerca de 28 cm de espessura e pesa 760 kg. Levantou-se a hipótese de que os três textos fossem o mesmo, embora apenas o em grego pudesse ser entendido. O conhecimento sobre a escrita em hieróglifos encontrava-se perdido desde o século IV a.C., e do demótico desde pouco depois. Desse modo, dois problemas confrontavam os acadêmicos que trabalhavam com as inscrições: saber se os hieróglifos representavam uma simbologia fonética ou apenas símbolos pictóricos, e determinar o significado das palavras individuais. O médico britânico Thomas Young obteve um substancial progresso em 20 anos de estudo. Mas o mérito final da completa realização da tradução, em 1822, pertence ao estudioso francês Jean-François Champollion, que desta forma iniciou a ciência do estudo de assuntos referentes ao Egito, a egiptologia.

Nanoinformações

Séculos depois: O Projeto Rosetta

Séculos depois nasce uma nova versão da Pedra de Rosetta. O projeto chamado de Rosetta tem como objetivo detectar e armazenar um total de 1.000 línguas faladas no 7000 do mundo, algumas das quais são faladas por menos de uma centena de pessoas. Outras línguas são consideradas ameaçadas de extinção , principalmente devido à propagação do Inglês na sociedade. Estima-se que 50-90% dos idiomas do mundo desaparecerá dentro de um século, muitos deles sem deixar qualquer documentação significativa. Muito do material produzido, especialmente para as línguas minoritárias, permanece oculto em pequenos arquivos pessoais, mantidos e mal financiados.

A fim de preservar esta diversidade linguística, a Long Now Foundation está criando uma linha de arquivo permanente.  O processo de análise adotado é semelhante ao utilizado para criar o primeiro Inglese Oxford Dictionary. O disco de Rosetta é o composto físico do Arquivo Digital de Idiomas Rosetta, e um protótipo da Long Now Foundation para durar 10.000 anos. O disco Rosetta se destina a ser um arquivo duradouro das línguas humanas, bem como um objeto estético que sugere uma viagem da imaginação através da cultura e história. Criaram um artefato físico único que evoca a grande diversidade da experiência humana, bem como a incrível variedade de sistemas simbólicos que construímos para compreender e comunicar essa experiência.

http://www.youtube.com/watch?v=3YgH4kGamSg&feature=related

A superfície do disco pretende ser um guia para os conteúdos, é gravado com uma imagem central da Terra e uma mensagem escrita em oito principais idiomas do mundo: “Línguas do Mundo: Este é um arquivo de mais de 1.500 línguas humanas montados no ano de 2008”. Você de ampliar 1.000 vezes para encontrar mais de 13.000 páginas de documentação de línguas. O texto começa na escala visível a olho nu e continuam em espirais para baixo até chegar numa escala nanométrica. Este anel cônico de idiomas se destina a maximizar o número de pessoas que serão capazes de ler alguma coisa imediatamente após pegar o disco, bem como implicando as instruções para usá-lo-‘ pegue uma lupa e o que você verá daqui por diante não existe mais’.

A Pedra de Rosetta

Basta uma lupa

No verso do disco a partir do globo de gráficos existem mais de 13.000 páginas de documentação microgravadas dessa língua. Cada página é uma representação física ao invés de imagem digital, não há dependência de plataforma ou formato. Para ler o disco basta apenas uma ampliação ótica. Cada página é 0,019 polegadas, ou metade de um milímetro de diâmetro. Isto é aproximadamente igual à largura 5 fios de cabelos humanos, e pode ser lido com um microscópio de 650x (páginas individuais são claramente visíveis em 100x).

As 13.000 páginas na coleção contém documentação em mais de 1.500 línguas recolhidas a partir de arquivos de todo o mundo. Para cada idioma, temos várias categorias de dados, as descrições da comunidade de fala, mapas da sua localização (s), e informações sobre os sistemas de escrita e de alfabetização. Eles também coletaram informações gramaticais incluindo a descrição dos sons da língua, como palavras e estruturas lingüísticas maiores como as frases são formadas, uma lista básica de vocabulário (conhecido como “Lista Swadesh”), e sempre que possível, os textos. Muitos dos nossos textos são transcritos de narrativas orais; outros são traduções, como o início de capítulos do Livro do Gêneses ou na Declaração Universal dos Direitos Humanos.

O disco de Rosetta está acondicionado em um recipiente de quatro polegadas em forma esférica que tanto protege o disco,  como fornece funcionalidade adicional. O reservatório é dividido em dois hemisférios. O hemisfério superior é feito de vidro óptico e funciona como um visualizador de 6X, dando acesso visual mais profundo no texto anéis cônicos. O hemisfério inferior é feito em aço inoxidável de alta qualidade. O objetivo de cada objeto de Roseta é viajar através do tempo e das mãos humanas. No mínimo, o Disco Roseta apresenta um panorama informativo da diversidade lingüística humana no século 21. No entanto, pode fazer muito mais. As traduções no disco, por exemplo, é um análogo próximo a Pedra de Roseta, cujos textos paralelos (neste caso, não intencionalmente) permitiu a decifração dos hieróglifos egípcios. Não é exagero imaginar que a informação sobre esta linguagem de disco poderá ser a chave para a (re) descoberta da sociedade e sustentam o conhecimento valioso em um futuro distante.

O disco Rosetta está sendo projetado e desenvolvido com a colaboração de artistas, designers, lingüistas e arquivistas incluindo Kurt Bollacker, Stewart Brand, Donald Paul, Jim Mason, Kevin Kelly, e Rosa e Alexander Welcher Laura. O financiamento inicial para o primeiro disco de Roseta e do projeto em si veio de Carlos Butcher e do Lazy Eight Foundation.

Postagens Relacionadas

Leave a Comment

error: Não pode ser copiado. Pode ser impresso e compartilhado.