Pesquisa Revela Detalhes Do Mercado Brasil De Software Livre

Uma pesquisa realizada pelo Instituto Sem Fronteiras mostrou algumas características surpreendentes do mercado brasileiro de Software Livre e de Código Aberto (SL/CA). Intitulado “Tendência de Investimentos e Utilização de Software Livre nas Empresas Brasileiras”, o estudo foi patrocinado por quatro importantes empresas ligadas ao mercado de Software Livre – IBM, Intel, Itautec e Red Hat – e contou com a participação dos executivos de TI de aproximadamente 1.090 empresas nacionais ao longo de 2007.

Um dos primeiros resultados surpreendentes mostrou que, ao contrário do que se imaginava, as grandes empresas, e não as pequenas, são as que mais utilizam SL/CA no país – que, aliás, está presente em 59% de nossas empresas, seja como sistema operacional ou aplicativos, tanto em servidores quanto desktops.

A explicação, segundo os autores do estudo, é que “as maiores empresas são menos permeáveis à pirataria em razão de sua maior capacidade de adquirir software proprietário ou de definir o uso de software livre, implementá-lo e geri-lo de forma eficiente”.

A presença do SL/CA nos desktops corporativos também chamou atenção: 47% das empresas pesquisadas utilizam programas com código-fonte aberto, um valor bem superior ao antes estimado. Além disso, em 46% dessa parcela das empresas o emprego do SL/CA aumentou nos últimos 12 meses, mantendo-se constante em 51% das restantes e diminuindo em apenas 3%.

CONCENTRAÇÃO NO CENTRO-OESTE

Embora a região Sudeste tenha a maior concentração de servidores no Brasil, é no Centro-Oeste que a concentração de empresas que adotam essa tecnologia é mais elevada. Por exemplo, em Brasília, 78% dos servidores utilizam SL/CA como sistema operacional em seus servidores, após ter aumentado em 54% das companhias brasileiras que já o utilizavam dessa forma há 12 meses.

O uso mais difundido de SL/CA nas maiores empresas em relação às menores levou ainda os aut res a afirmar que as grandes “detêm mais servidores, estratégias de TI mais profissionais e maduras e maior necessidade de redução de custos”, enquanto que, nas menores, “geralmente, Desktop Servers, comuns em tais empresas, utilizam software proprietário como sistema operacional, pré-instalado de fábrica. Elas muitas vezes não possuem staff de TI qualificado à implementação e setup de servidores”.

MISSÃO CRÍTICA E TCO

A confiança dos gestores de TI na tecnologia e na rentabilidade do SL/CA foi mais um ponto que chamou atenção na pesquisa, com 48% das companhias pesquisadas afirmando usarem essa tecnologia em aplicações de missão crítica.

No campo das finanças, o TCO foi apontado como principal fator de

atratividade do SL/CA, seguido pelo aproveitamento de hardware, pela estabilidade e pela segurança, características já freqüentemente associadas a essa tecnologia.

Referências:

Postagens Relacionadas

Leave a Comment

error: Não pode ser copiado. Pode ser impresso e compartilhado.