Justiça investiga perfil de Suzane Richthofen no Twitter

A Justiça vai investigar se o perfil de Suzane von Richthofen no Twitter foi criado por ela mesma. Nesta segunda-feira, o promotor Paulo de Palma, da Promotoria de Execuções Criminais de Taubaté, no interior de São Paulo, protocolou junto à Corregedoria dos Presídios o pedido de investigação.

O perfil foi criado no dia 2 de julho e virou febre. O advogado de Suzane, Denivaldo Barni Júnior, se disse surpreso. Renato Opice Blum, especialista em direito digital, acredita que a identificação do criador de perfis falsos no Twitter é simples. “Já pedimos a exclusão de perfis fraudulentos, e o escritório do Twitter nos Estados Unidos os excluiu de forma rápida. A empresa é ágil para atender pedidos de notificações do Brasil, enviados em inglês”, que disse já ter seis casos deste tipo em seu escritório.

Suzane cumpre pena de 39 anos e seis meses de prisão por ter participado na morte dos pais em outubro de 2002. Ela tem direito a progressão ao regime semiaberto por ter cumprido um sexto da pena e apresentar bom comportamento no presídio. O laudo criminológico elaborado por dois psiquiatras, dois psicólogos e uma assistente social indica que a ré confessa do assassinato dos pais, é dissimulada. O documento foi encaminhado ao MP e agora está nas mãos de uma juíza da 1ª Vara de Execuções Criminais, que dará a palavra final.

A Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) informou que ainda não havia sido comunicada sobre o pedido de investigação, mas afirmou que nenhum preso tem acesso à internet nas prisões paulistas.

ATUALIZAÇÃO – O suposto perfil de Suzane von Richthofen no Twitter – espécie de blog que virou febre na internet – estava fora do ar no início da tarde desta terça-feira (11), depois que o promotor Paulo de Palma pediu que a página fosse investigada. Ao ser acessada, era exibida uma mensagem que informava que a página não existe.

Postagens Relacionadas

Leave a Comment

error: Não pode ser copiado. Pode ser impresso e compartilhado.