Coisas que vendedores contam na vida privada.

Quem pensa que vida de vendedor é só sofrimento está completamente enganado. Este ser presencia e vive cada uma que vocês nem imaginam. Reuni algumas situações engraçadas que aconteceram em loja para mostrar que o varejo é um dos lugares onde uma boa piada ou uma grande sacada podem acontecer a qualquer hora e a olhos vistos.

Sempre que reúno com os vendedores peço que me contem historinhas engraçadas ou fatos pitorescos. Certa vez estava eu voltando do almoço e encontrei um amigo. Imediatamente ele virou pra mim e disse: “Sucupira, preciso te contar o que aconteceu hoje pela manhã.”

“Acredita que um cliente veio comprar uma placa de vídeo, instalar e testar e isso acabou o casamento dele?”

Eu fiquei espantando com isso. Confesso que MSN, ORKUT e outras coisas já haviam detonado relacionamentos, mas uma placa de vídeo isso pra mim era novidade. Passei a ser todo ouvidos. Aconteceu em Fortaleza, Ce.

O cliente entra na loja e compra uma placa de vídeo. Traz junto o computador. Escolhe a placa e em seguida leva ao técnico da loja para a instalação eteste.A placa estava configurada, mas precisavam testar se estava capturando vídeo. Ai o cliente teve a idéia de pegar um das suas fitas no carro. Insere na câmera e começa a reproduzir. Sua esposa (ou seria ex-esposa) olha atentamente o teste. Mas a fita que ele pegou tinha algo que ela não deveria ver. A fita começou a rolar e os dois e mais um amigo assistiram a um minuto de um vídeo pornô caseiro onde o protagonista era o próprio cliente com outra mulher que não era a esposa dele. A reação dela foi imediata. PAFT! Duas vezes! A briga continuou fora da loja. Momentos depois ele voltou pra pagar a placa e pegar o micro. Mas a briga continuou de novo lá fora e o amigo que veio com eles tentou segurar a esposa. Bom, se foram no carro os três juntos, ou melhor, o que sobrou do marido.

Outro fato interessante aconteceu quando eu morava em São Paulo. Vendedor e gerente eram muito amigos e os dois pegavam o segundo turno. Como só tinha folga pela manhã esse amigo resolveu ir a um motel com a namorada. Chegando lá encontrou o carro desse amigo dele que era gerente. Parou espantado, pois viu o carro do amigo, no mesmo motel. Seu amigo se vangloriava de ser homem de uma mulher só. Ele não resistiu e desceu pra conferir já que a cortina estava levantada. Ao chegar perto carro viu que a porta do passageiro estava destravada e abriu e retirou a tampa removível do CD Player e levou consigo. Mais tarde ao chegar à loja tomou um susto. O amigo gerente tinha vindo logo pela manhã. Meu amigo estava com o frontal do CD no bolso e travaram o seguinte diálogo:

– Ô meu, cê aqui?!!!”

– É.. vim pela manhã…

– E seu carro que eu não vi?

– Minha mulher veio me deixar e foi ao super…

– …ao super.. vc veio sem carro… que horas chegou?

– Na hora de quem entra pela manhã… o que foi? Você parece que viu fantasma?

– Não. Tudo bem… é que eu não vi seu carro lá fora e fiquei preocupado.. sabe como é… roubam em todo canto até em estacionamento de loja de informática…

Assim que começou a afastar-se do amigo gerente o telefone dele toca. Era a esposa comunicando o roubo do CD no super.

Tempos depois, tomando um chopp ele me conta esse fato. Ai eu perguntei a ele pela frente do CD. Ele me disse: – “Ta lá em casa até hoje. Guardo como um aviso de que tenho que ter cuidado com brincadeiras.”

Outra vez, Tiago, gerente de uma das lojas de uma grande rede armou para prender uns estelionatários ‘clonadores’ de cartão. As lojas tinham uma comunicação muito eficiente na denúncia deste tipo de marginal e as informações eram repassadas a toda rede em segundos inclusive com fotos e até vídeos. Acontece que o Tiago decidiu não ficar apenas na cautela. Resolveu ir mais além. Ele conhecia alguns policiais e sempre combinava de armar uns flagrantes.

Certa vez, um ‘clonador’ de cartões bem conhecido (sim, por que eles não têm a menor vergonha de aparecer) andou em uma das lojas e o alerta foi emitido. O Tiago fez uma aposta de que ele iria tentar faturar em cima de uma das lojas e ai armou. O ‘clonador’ chegou e ele mesmo o atendeu, enquanto isso, o subgerente acionava a polícia que já esperava o chamado. O ‘clonador’ chegou e comprou um monitor.

A polícia estava lá fora esperando, pois só podia prendê-lo em flagrante na saída da loja. Ao sair da loja o ‘trambiqueiro’ foi preso e para a surpresa de todo mundo, com a prisão dele, caiu junto toda uma quadrilha de ‘clonadores’ e estelionatários procurados há tempos pela polícia. Desde então, Tiago é chamado pelos outros gerentes do grupo de ‘Delegado’ ou ‘Zé Bob’ e ultimamente era constantemente provocado a armar para prender a Flora (personagem da novela ‘A Favorita’ da rede Globo). Quando isso acontecia ele sempre dizia:”- Esse Zé Bob é fraco! Se fosse eu…”

Certa vez um cliente entra na loja, pede um monte de preços e anuncia que é amigo do dono e queria um tratamento diferenciado e especial tanto quanto a preço e forma de pagamento. Se tem coisa que vendedor detesta é ‘carteirada’ de cliente tentando levar vantagem por ser amigo do dono.

Meu amigo, já acostumado com essas ‘carteiradas’ começou a perguntar a respeito do dono e a cada pergunta o cliente mostrava que estava blefando. Já bem zangado com tudo que estava acontecendo resolveu fechar a proposta e apresentar ao cliente que se dizia íntimo do dono da empresa. Ao ver o preço o cliente surtou, pois estavam cotados em preço cheio, sem desconto nenhum e os serviços de instalação que ele havia solicitado como cortesia estavam lá listados para ele pagar. O cliente ameaçou ligar pro dono diante de tamanha desfeita, mas o vendedor havia escutado, certa vez quando de uma palestra do dono da empresa que quando acontecesse uma dessas situações que ligassem pro celular dele antes de fechar qualquer proposta, pois havia dito, brincando, que seus amigos não faziam questão de desconto.

O vendedor aproveitou a situação e jogou uma ‘verde’. Disse ao exaltado cliente que a recomendação da presidência era de cobrar o preço cheio, pois, os amigos do dono não pediam desconto e nem reclamavam e compravam na loja por que eram amigos do dono. O cliente ‘pirou da batatinha’ e ameaçou ligar na frente do vendedor para o dono. O vendedor, numa grande sacada, perguntou ao cliente se ele realmente conhecia o dono. O cliente respondeu que ele iria perder o emprego dele. Detalhe, o dono estava visitando as lojas (como sempre fazia aos sábados) e ouvia tudo a uma curta distância.

Em determinado momento interrompe a discussão e se apresenta perguntando se pode ajudar. O cliente conta a história toda e pergunta se ele é o gerente da loja e reforçou que conhecia o dono e que ‘aquilo não ia ficar assim’. Foi quando o dono puxou seu cartão de visitas e discretamente disse: “- Muito prazer, eu sou o dono!” O cliente mudou de cor e humor e saiu da loja sem dizer uma palavra.

Por fim, apesar de nada ter a ver com informática, tem vendedor que não sabe quando calar e fechar a venda. Certa vez uma senhora decidiu comprar o carro esportivo mais caro. Acertadas as condições a vendedora, em vez de ficar calada, soltou a pérola de que ‘seu filho’ naquele carro, andando à beira-mar iria chamar atenção e ‘arranjar muitas namoradas’. A cliente, já quase uma senhora, disse a vendedora: “-Querida, o pedido está cancelado. Obrigado por me alertar. Este jovem que você acredita ser meu filho é na realidade meu namorado”.

E você? Tem alguma história interessante para contar?

Postagens Relacionadas

Leave a Comment