Carreira: Não está dando certo? Demita seu chefe!

Demita seu chefe!

De um animado bate-papo sobre carreira com o Hugo Queiróz nasceu a ideia de escrever esta coluna. Na realidade ela mostra que você sempre tem alguma alternativa quando o problema é o seu chefe. Gostar ou não das pessoas ou de alguns colegas de trabalho é sempre um problema que você tem que administrar se quiser continuar empregado por mais tempo. Relacionar-se bem é fundamental para crescer na carreira, mas nem sempre você consegue manter bons relacionamentos com todos e aqui vale administrar as situações. Porém quando o problema é com seu chefe a coisa realmente é grave.

Por razões que não cabe aqui discutir em profundidade, você e seu chefe não se ‘batem’. Quando é de você para seu chefe ainda dá para administrar, mas quando é recíproca, a coisa tende a ficar tensa.

Existem várias maneiras de administrar isso, mas quando dá perceber que vai durar pouco precisa decidir logo o que fazer. Muitos adotam duas filosofias: Um é a clássica “manda quem pode, obedece quem tem juízo.” A outra que nem sempre dá certo, é “entrar mudo e sair calado”, mas esta geralmente se bate com aquela que os chefes dizem que determinado funcionário “mesmo calado, ainda está errado.” Assim fica impossível conviver! Mesmo fazendo o melhor trabalho possível e sendo um dos melhores profissionais da empresa isso não garante que você não venha a ser substituído, pois quem avalia você é seu chefe e se ele não gosta de você, mesmo sendo muito bom, portanto, ‘o cara’ o caminho poderá mesmo ser “buscar um novo emprego”.

É importante lembrar que os chefes são cobrados pelos resultados da equipe que eles comandam e que eles têm outro chefe no ‘pé dele’ e assim por diante. Já escutei todo tipo de desculpa para um chefe demitir um funcionário bom. Semana passada uma amiga foi demitida (aliás, uma das melhores comunicadoras que eu conheço) pelo simples fato de ser “comunicativa demais e relacionar-se facilmente.” Ora, bolas! Mas não é isso que se espera de um comunicador? – Sim! Mas, o chefe dela não pensava assim e mandou para o RH. Lá a gerente de Rh não teve o que dizer, pois a demissão era exatamente por isso. Mais tarde se soube que outra pessoa, amiga do chefe, estava sendo colocada no lugar dela. E assim caminha a humanidade. Como diria Nelson Rodrigues – “A humanidade não deu certo!” Não acredito em tanto, mas quando vejo isso confesso que me preocupo. Em outro caso o funcionário – que nunca discordava do chefe – foi demitido por que era rápido demais no fechamento da venda. Detalhe importante é que este dito funcionário estava entre os três melhores vendedores. A desculpa do chefe era que “ele precisava trabalhar mais o relacionamento com o cliente. Fechar a venda rapidamente poderia não ser bom.” Depois de demitido ficou-se sabendo que o ex-chefe na realidade não ia com a cara do funcionário.

Em outros casos rola o problema do medo. Existem funcionários que mal chegam e já se destacam. São tão bons que já se mostram melhores que seus chefes e ai a coisa começa a complicar. Em vez de primeiro ficar amigo do chefe e depois mostrar serviço, eles partem de forma inversa e isso acaba gerando o que se chama de “medo de perder o lugar para ‘essezinho’ que chegou agora.” Nesse caso, esse bom profissional vai durar bem pouco na empresa, pois a maioria dos chefes tem medo de perder seu lugar. Infelizmente a maioria dos chefes não adota uma postura de liderança. Para continuar sendo chefe, precisa entender o que é liderança e isso é um problema para a grande parte deles. Achar-se chefe é bem diferente de estar chefe. Acontece que ao assumir um cargo, para continuar a ser um líder precisa identificar seu sucessor dentro da equipe e estimular as pessoas para isso. Com isso terá a equipe ao seu lado ajudando-o, inclusive, a subir na carreira. É bem simples: se quer continuar chefe, faça seu sucessor e marque a data para sair. Fazendo isso, obtendo bons resultados e um ótimo relacionamento com a equipe tudo fica mais fácil. Claro que será necessário às vezes realizar adequações e isso passa por reformular a equipe com treinamentos e até mesmo com a troca de pessoas que não se adéquam ao perfil e ao que foi planejado. Porém isso deve ser feito de forma muito clara e sempre com foco nos resultados, nunca por que “eu não fui com a sua cara”.

Acontece que nem sempre isso soa como música aos ouvidos dos comandados e se alguém não gosta do seu sorriso ou da forma como você anda ou senta, nesse caso uma boa conversa pode resolver antes de se tomar uma medida mais dura. Mas existe a situação extrema quando os dois não possuem nenhum tipo de afinidade e muito menos boa vontade para resolver o mal-entendido. Se você é o subordinado identifique isso o mais rápido possível e demita seu chefe antes que ele o faça.

Calma… Eu não estou louco. A única forma de se livrar de um chefe que você não se dá bem é fazendo com que ele deixe de ser seu chefe. A não ser que seja algo bem grave, pense duas vezes antes de ir reclamar para o superior dele. Na maioria das vezes é você quem ‘dança’. O melhor a fazer é buscar dentro da empresa por novas alternativas. Peça transferência para outro lugar ou para outra equipe. Seja sincero ao RH, mas não fale mal. Apenas que não está se sentindo bem na equipe. Na maioria das vezes funciona e se você é um bom profissional vai conseguir com mais facilidade ainda.

Se seu chefe pode te demitir por não ir com a sua cara, você, ao perceber isso, antes dele, pode pedir para sair. Isso é o mesmo que demiti-lo, pois quando você muda de setor ou de equipe, ele não terá nenhuma ingerência contra você, a não ser que ao falar com o Rh mostre rancor em vez de apenas buscar um lugar onde se sinta mais em sintonia com os objetivos da empresa. Saia sem criar problemas, pois chefes se falam e almoçam juntos e em um desses encontros seu nome pode ser servido na sobremesa.

Se você tentou de tudo e ainda assim a empresa não te deu ouvidos, a solução ainda é demitir seu chefe! Mude de emprego e consequentemente de chefe. A sua carreira agradece. O mundo gira e pode acontecer com você o que aconteceu comigo. Um dia ouvi este mesmo conselho e o pus em prática. Anos depois, por coincidência, eu era chefe do cara que tinha sido meu chefe. O mais interessante é que hoje ele é meu amigo, em vez de vingar-me (pois eu tinha poder para tanto), fui buscar outra abordagem e deu certo. Mais tarde descobri que ele não ia com a minha cara, por nenhuma razão explícita, mesmo sem me conhecer direito. Portanto, se não está dando certo e você tentou de tudo – demita seu chefe! Ainda dá tempo. Antes se lembre de divulgar seu currículo e ligar para os amigos. Fará bem a sua saúde e à sua carreira.

Minha dica de leitura é o livro “Como fazer seu chefe amar você!” de Inês de Castro, Editora Original (americanas.com.br) O livro destaca que ser chefe exige equilíbrio para administrar humores, problemas, ódios e intrigas. Mais ainda; ser chefe é alcançar os resultados positivos que farão a empresa – e você – ir pra frente ou não. Portanto, quem tem chefe precisa saber como se tornar um funcionário bem sucedido. Em ‘Como fazer seu chefe amar você’, a jornalista Inês de Castro ensina a melhor forma (e momento) de pedir um aumento, como se comportar numa reunião, os truques para escapar das armadilhas dos colegas e até o caminho mais curto pra você ocupar o lugar do seu chefe.

Postagens Relacionadas