Carreira: Cuidado com o Olho-Gordo

Olho gordo...

Um dos piores inimigos de quem tem sucesso em algo é a inveja. Como disse Plutarco( 46-120 d.C.) “De todos os distúrbios da alma, a inveja é a única que não se confessa.” Sim, ela é silenciosa. Vi muitos vendedores de sucesso sucumbirem diante de sentimentos como esse e o pior: vinham dos amigos. Saber lidar com a inveja é saber lidar com os holofotes. Não queira muito brilho para você e nem divulgue tanto seus feitos, pois ela chega e é mais perigosa do que a concorrência. Um ponto a ser diferenciado aqui é concorrência x inveja. A concorrência é uma forma declarada de desejar ocupar o lugar do outro e até mesmo ultrapassá-lo. Em vendas este é o caminho daqueles que querem se transformar em grandes homens de negócio. Mas a inveja é o pior deles, pois é dissimulada, ao contrário da concorrência. Quem não foi vítima da inveja? Muitas amizades se desfizeram por isso. Muitos relacionamentos, inclusive amorosos também. Uma máxima da inveja é que a casa do vizinho é sempre melhor que a sua.

Mas o que tem a ver a inveja ( invidea em latim) com a tecnologia?

TUDO!

Programadores, analistas, vendedores e empresários desse ramo são ao mesmo tempo admirados e invejados pelo seu saber. A admiração traz o exemplo, mas a inveja puxa para a incapacidade de acreditar que é preciso esforço para ser bom no que faz.

Tesla foi vítima da inveja de Thomaz Edson que, à surdina, acabou atribuindo-lhe uma fama de ‘cientista louco’. _Padre Landel e Santos Dumont , ambos brasileiros, também sofreram com a inveja. Crescer profissionalmente requer especial atenção a este sentimento disforme, mudo e escorregadio, comumente disfarçado de elogios arrebatadores, despropositados, irônicos ou de críticas ferrenhas, inclusive das famigeradas calúnias.

Quem não foi invejado? Tenho amigos que quando mudam de carro, casa ou compram uma super moto, antes de falar e mostrar aos amigos encaixam um galhinho de arruda no bem ou pedem ao padre para benzer e proteger contra a inveja. Estes amigos confessaram que em alguns momentos sentiram inveja do sucesso de alguém, mas buscaram forças para entender como aquelas pessoas chegaram ao sucesso e partiram para a concorrência através da preparação e descobriram o quanto é duro chegar a um lugar de destaque. Certa vez, conversando com um grande amigo vendedor sobre o tema ele me disse que o ‘sol é para todos, mas a sombra é para poucos’.

Algumas pessoas têm o inexplicável dom de fazer coisas incríveis facilmente. Ótimo? Nem sempre. A soberba e o glamour atraem este sentimento e o excesso de confiança é a arma dos invejosos.

Na sua carreira, seja como vendedor, empresário, programador ou analista tenha cuidado na exposição de seus feitos. Deixe que os outros o façam por você e aparente sempre menos do que é.

Os árabes só mostram a sua riqueza dentro de casa. Reserve-se. Certos ambientes são mais propícios a este sentimento e o segmento de tecnologia é junto com a política um dos que mais têm ‘puxadas-de-tapete’.

Decidi escrever sobre este tema, em complemento a coluna anterior, por que liderar é saber lidar com a inveja e quem é o maior responsável para que ela surja, acredite, é você mesmo. É mais fácil evitar que ela apareça que livrar-se dela depois que encosta em você. Existem pessoas brilhantes que ao primeiro sucesso saem por ai alardeando seus feitos-faça isso apenas aos amigos que não concorrem com você ou com pessoas que sinceramente desejam seu bem. Tais atitudes provocam nas outras pessoas o sentimento de inferioridade e isto pode trazer inveja. Deixe que os outros falem bem de você e cantem as suas vitórias. Nunca deve ser você a fazer isso. Um líder precisa ser humilde e seguro de si ao ponto de não reconhecer-se superior. O fato de lidar com isso com humildade traz o respeito dos liderados e afasta a inveja, pois mostra que qualquer um pode ser como ele, basta lutar. Outras pessoas se vêem cercadas de invejas por outras razões-a maior delas é o talento natural que existe na maioria dos gênios da tecnologia.

Aqui no Fórum PCs existem muitos usuários com mentes brilhantes que, caso não saibam lidar com o sucesso, podem vir a sucumbir ao modo Tesla.

Sir Walter Raleigh, um nobre cavaleiro inglês, foi um dos homens mais brilhantes da corte da rainha Elizabeth I, da Inglaterra. Era um hábil cientista, escreveu poesias até hoje reconhecidas entre os textos mais belos da época. Foi um comprovado líder, um empresário ousado, um grande capitão do mar e um cortesão vistoso e simpático que conquistou com seu charme o lugar de preferido da rainha. Aonde ele ia, entretanto, tinha gente bloqueando seu caminho.

Sir Raleigh não entendia a oposição ferrenha e teimosa que enfrentava dos outros membros da corte. Não percebeu que, além de não disfarçar o grau das suas habilidades e qualidades ele cometia um erra insano: ele as impunha a todos, exibindo a sua versatilidade, pensando que assim impressionava as pessoas e conquistava amigos. Ledo engano. Assim ele conquistou inimigos secretos, gente que se sentia inferior a ele e fazia o possível para derrubá-lo ao menor tropeço ou erro. Ele foi executado, acusado de traição.

Dinheiro qualquer um pode ter, poder também. Mas inteligência superior, boa aparência, charme, tais qualidades não se compram. Por isso evite pensar que está encantando as pessoas com seus talentos naturais. Na realidade, você pode estar fazendo com que uma parte delas o deteste. Não esconda todos os seus defeitos, isso ajuda a afastar um pouco a inveja e desviar a atenção sobre você enquanto trabalha no seu projeto de carreira. Lembre-se que no ramo de tecnologia importa os resultados que os outros percebem e não os que você quer que eles vejam.

Outro grande perigo é quando você recebe uma promoção inesperada, um prêmio surpresa ou uma vitória. Quando o arcebispo de Retz foi promovido a cardeal, em 1651, ele sabia muito bem que muitos de seus ex-colegas sentiriam grande inveja. O cardeal de Retz atribuía a sorte a sua promoção. Isso o ajudou a manter os aliados com sentimento de igualdade e não de inferioridade. Isso tornava a felicidade e o sucesso mais acessível aos outros. O cineasta Ingmar Bergman foi literalmente caçado pelo fisco por estar em evidência em um país que via com maus olhos quem se distinguia da multidão. Thoreau afirmava que ” A inveja é o tributo que tudo que se distingue tem que pagar.” Mas você pode evitar ter que pagar esta conta se quiser.

Foi usando a mesma genialidade que Michelangelo detonou Bramante, um escorregadio e inescrupuloso arquiteto que fez com que o papa Júlio recusasse o projeto que Michelangelo havia feito para seu túmulo. Bramante morria de inveja da genialidade divina de Michelangelo e depois que conseguiu fazer o papa Júlio abortar o projeto do túmulo, elaborou outra manobra ardilosa. Ele insistiu com o papa para que encomendasse a Michelangelo a pintura dos murais da Capela Sistina. O projeto levaria anos e com isso ela faria com que Michelangelo não mais tivesse tempo para esculpir suas maravilhosas obras. Bramante acreditava que Michelangelo não era tão bom pintor quanto era escultor e que este projeto arruinaria a sua imagem.

Ao perceber a armadilha, Michelangelo pensou em recusar a proposta, mas se negasse um pedido do papa estaria caindo em desgraça por antecipação. Decidiu aceitar o desafio sem se queixar. Ele usou a inveja de Bramante para conquistar ainda mais sucesso. A pintura da Capela Sistina é a obra-prima mais admirada e a que é considerada a mais perfeita já feita por Michelangelo. Toda vez que Bramante ouvia elogios sobre ela ou a via, ele afundava ainda mais na sua inveja e esquecia-se de aprimorar os verdadeiros dons. Esta foi uma maneira genial do brilhante Michelangelo vingar-se, de mãos limpas, do invejoso Bramante.

Baltasar Gracián (1601-1658) definia brilhantemente este sentimento quando disse que ” O invejoso não morre apenas uma vez, mas muitas, sempre que o invejado escuta um elogio; a eternidade da fama deste é a medida da punição daquele: este é imortal na sua glória, aquele na sua miséria. Os mesmos clarins da fama que soam pela imortalidade de um, anunciam a morte do outro, condenado a morrer engasgado com a sua própria inveja.”

A você, caro leitor, brilhante programador, técnico, analista, empresário ou vendedor do segmento de tecnologia, tais conselhos com exemplos históricos são gotas da sabedoria que a genialidade e o sucesso não nos ensinam por amor, mas pela dor.

No Velho Testamento, em Gênesis, 37:3-20, José, filho de Israel, foi jogado em uma cisterna por conta da inveja que seus irmãos tinham dele por ser o preferido do pai e pela bela túnica que usava.

Precaução e caldo de galinha não fazem mal a ninguém. Por isso, ao brilhar deixe que seus feitos sejam alardeados pelos seus verdadeiros amigos e reconhecidos e respeitados pelos seus concorrentes.

De resto, siga o exemplo de La Rochefoucauld (1613-1680)-“É preciso muito talento e habilidade para dissimular o próprio talento e habilidade.” No mais, o que importa mesmo são os resultados, pois os números falam mais que qualquer grande discurso.

Portanto, não economize os seus talentos, apenas mantenha sob controle o brilho da sua estrela. Faça isso para o bem da sua carreira.

– “E ai? Tudo mais ou menos?”

(*)

O Preço da Inveja – Conto do livro A Treasury of jewish folklore Nathan Ausubel.ED.1948.


Postagens Relacionadas